3 histórias incríveis de missionários na época da restauração

As escrituras estão repletas de exemplos de como discípulos de Cristo, apóstolos e missionários superaram as dificuldades que advém de compartilhar o evangelho restaurado de Jesus Cristo.

De Pedro e João a Alma e Amuleque até nossos dias atuais, ninguém foi ou será imune ao problema que vem junto com a alegria e realização de pregar sobre o evangelho. Existe oposição em todas as coisas, mas a oposição que os discípulos de Cristo enfrentam não precisa ofuscar os milagres que acontecem.

Este mesmo princípio se aplica àqueles que foram às nações vizinhas pouco depois que a Igreja foi restaurada pelo Profeta Joseph Smith. Depois de passar algum tempo estabelecendo a Igreja na América, o Presidente Brigham Young recebeu revelação, após o martírio de Joseph, para enviar vários de seus companheiros para cumprir com o mandamento de espalhar o evangelho por todo o mundo. Aqui estão alguns exemplos de missionários que serviram em diferentes países naquela época e algumas lições aprendidas.

Sacrifício – Dan Jones

O sacrifício está sempre envolvido com o trabalho missionário e Dan Jones foi um grande exemplo disso. Jones trabalhou como capitão de barcos depois de imigrar do País de Gales para os Estados Unidos e muitas vezes levava Santos dos Últimos Dias pelo Rio Mississippi. Jones era um converso e recebeu seu chamado para servir no País de Gales logo após Heber C. Kimball iniciou o trabalho missionário em toda a nação britânica.

Jones serviu em duas missões no País De Gales, a primeira durou sete anos,1845-1852 e a segunda de 1852-1856. Jones levou sua esposa durante sua primeira missão, mas não conseguiu fazê-lo em sua segunda missão.

Missionários que são chamados para servir na vinha do Senhor atualmente são normalmente enviados para o campo para servir por um período de 18-24 meses e os presidentes de missão e suas esposas servem por três anos. No entanto, Jones foi chamado para cumprir duas missões por 11 anos no total, quatro anos sem a companhia de sua esposa.

Jones foi capaz de ajudar na conversão de muitos santos no País De Gales, que mais tarde viajaram pelo do Atlântico para se juntar aos santos na América. Como diz um famoso hino, “sacrifícios trazem as bênçãos do céu.”

Oposição – Edward Stevenson

A oposição é algo que sempre estará junto com o trabalho missionário. Isso é algo que todos os missionários retornados podem confirmar. Elder Stevenson enfrentou muito disso quando foi designado para servir uma missão em seu país natal, Gibraltar, que é um território britânico com fronteira com a Espanha.

Stevenson nasceu em Gibraltar, por isso não era um problema entrar no país. Seu companheiro Nathan Porter, no entanto, não era nativo de Gibraltar. Porter teve autorização para ficar no país por quinze dias e então foi deportado quando sua licença expirou. Uma renovação da licença do Porter estava fora de questão.

Stevenson, agora sem companheiro, estava determinado a pregar o evangelho ao povo de Gibraltar sozinho. Ao contrário dos missionários atuais que pregam o evangelho em grupos de dois ou três, Stevenson tentou começar a igreja em Gibraltar sem um companheiro. Stevenson percebeu a resistência que existia por parte do governo e do clero.

Tanto que ele foi mantido “preso, sob acusação de que [sua] religião não podia ser tolerada em [Gibraltar]… Pela primeira vez em sua vida [ele] foi levado como prisioneiro”, afirmou Stevenson em um diário. Stevenson foi capaz de organizar um ramo com dez conversos e muitos deles “foram enviados para a Europa Oriental para lutar na Guerra da Crimeia.”

Apesar de tudo isso, Stevenson foi capaz de batizar muitas pessoas ao ensinar o evangelho em Gibraltar, incluindo uma mulher que ajudou a cuidar dele quando ele era criança. A oposição é algo que se espera quando se compartilha os ensinamentos restaurados de Cristo, especialmente nos últimos dias. Entretanto oposição não deve nos impedir de agir.

Esperança – Orson Spencer

Elder Orson Spencer saiu de casa para fortalecer a Igreja na Alemanha (Antiga Prússia) em 1852. Ele ficou lá por apenas um ano porque depois de descobrirem o que Spencer e seu companheiro (Jacob Houtz) estavam lá para fazer, a polícia alemã deu-lhes esta declaração: “Vocês, Orson Spencer e Jacob Houtz, são ordenados a partir deste reino amanhã de manhã, sob a pena de exílio; e vocês também estão proibidos de voltar a este Reino daqui em diante, sob a pena de ser exilados.”

Apesar de ser forçado a deixar de pregar o evangelho aos alemães, Spencer tinha a verdade do evangelho e sabia que tinha feito tudo o que podia com o que lhe foi dado e sabia o que tinha que fazer para reivindicar as bênçãos reservadas para ele.

Ele disse: “Nossa religião é boa, pura, sem defeitos e veio dos céus; e tendo falado contra ela, terão o poder de responder a Ele, que a revelou do céu para a bênção e salvação de todos os que a deveriam receber.”

É importante ter em mente que não importa o que aconteça e não importa o que os outros decidam fazer, os Santos dos Últimos Dias ainda têm o evangelho de Jesus Cristo e têm as verdades eternas dadas a eles.

Se mais ninguém o aceitar, pelo menos os santos podem escolher Cristo todos os dias. Isso inclui a escolha de compartilhar o evangelho com aqueles ao nosso redor.

Fonte: LDS Living

Relacionado:

5 Perguntas que um ex-missionário vai gostar muito de responder

O post 3 histórias incríveis de missionários na época da restauração apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *