A história dos mórmons na França

A França ganhou a Copa do Mundo de 2018. E o que você sabe sobre esse país tão bonito? O que você sabe sobre a história dos mórmons na França?

França (em francês: France) oficialmente República Francesa (em francês: République française) é um país, ou, mais especificamente, um Estado unitário desconcentrado, localizado na Europa Ocidental, com várias ilhas e territórios ultramarinos noutros continentes. A França Metropolitana estende-se do Mediterrâneo ao Canal da Mancha e Mar do Norte, e do rio Reno ao Oceano Atlântico. É muitas vezes referida como L’Hexagone (“O Hexágono”) por causa da forma geométrica do seu território e partilha fronteiras com a Bélgica e Luxemburgo a norte; Alemanha a nordeste; Suíça e Itália a leste; Espanha ao sul e com as micronações de Mônaco e Andorra. A nação é o maior país da União Europeia em área e o terceiro maior da Europa, atrás apenas da Rússia e da Ucrânia (incluindo seus territórios ultramarinos, como a Guiana Francesa, o país torna-se maior que o território ucraniano).

Por cerca de meio milênio, o país tem sido uma grande potência, com forte influência econômica, cultural, militar e política no âmbito europeu e global. Durante muito tempo a França exerceu um papel de liderança e hegemonia na Europa (principalmente a partir da segunda metade do século XVII e parte do XVIII). Ao longo daqueles dois séculos, a nação iniciou a colonização de várias áreas do planeta e, durante o século XIX e início do século XX, chegou a constituir o segundo maior império da história, o que incluía grande parte da América do Norte, África Central e Ocidental, Sudeste Asiático e muitas ilhas do Pacífico. É conhecida como a terra natal da primeira grande enciclopédia do mundo, a chamada Encyclopédie, formada por 35 volumes e publicada entre 1751 e 1766, em pleno iluminismo do século XVIII.

O país tem seus principais ideais expressos na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. A República Francesa é definida como indivisível, laica, democrática e social pela sua constituição. A França é um dos países mais desenvolvidos do mundo, possui a quinta maior economia do mundo por produto interno bruto (PIB) nominal, a nona maior por paridade do poder de compra e a segunda maior de toda a Europa. O país goza de um alto padrão de vida, bem como um elevado nível de escolaridade pública, além de ter uma das mais altas expectativas de vida do mundo. A França foi classificada como o melhor provedor de saúde pública do mundo pela Organização Mundial de Saúde (OMS). É o país mais visitado no mundo, recebendo 82 milhões de turistas estrangeiros por ano.

O país tem o terceiro maior orçamento militar do mundo, a terceira maior força militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o maior exército da União Europeia (UE), além de ser um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas e possuir o terceiro maior número de armas nucleares do mundo. O país é um dos membros fundadores da UE e possui a maior área e a segunda maior economia do bloco. É também membro fundador da Organização das Nações Unidas, além de ser membro da Francofonia, do G8, do G20, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da União Latina.

Seleção Francesa de Futebol

A seleção francesa se tornou uma potência no futebol mundial a partir da década de 80, quando era comandada por Michel Platini, um dos melhores jogadores do mundo à época. Destacaram-se pelo vistoso futebol apresentado no título da Eurocopa de 1984, pelo 3° lugar na Copa do Mundo de 1986, além de um 4° lugar em 1982. Na década de 80, os franceses foram campeões também nos Jogos Olímpicos de 1984, vencendo o Brasil na grande final por 2×0.

Argentina, França e Brasil são as únicas seleções do mundo a conquistar a quádruple corona, vencedora da Copa do Mundo, dos Jogos Olímpicos, da Copa das Confederações, e da Eurocopa ou Copa América.

Mas os melhores anos dos Bleus viriam na década seguinte, em 90, histórica geração de Zinédine Zidane, Thierry Henry e outros. Essa seleção jogou as semifinais do Euro 1996, e 2 anos depois conquistaram a Copa do Mundo de 1998, realizada em território francês. Em 2000, venceram ainda a Eurocopa.

Nos Jogos da Francofonia, conquistou a medalha de ouro em 1994 e obteve a medalha de prata em 2001.  Ainda em 2001 os franceses conquistaram a Copa das Confederações.

Apontada como favorita para no Mundial seguinte, realizado na Coreia e no Japão, a performance do time na Copa do Mundo de 2002 foi decepcionante, não ganhando um único jogo, nem marcando um gol sequer. Apesar disso ainda chegaram ao Eurocopa 2004 como favoritos, mas foram batidos nas quartas-de-final para Grécia que se tornaria a campeã e dois anos depois foi segunda colocada na Copa do Mundo de 2006 perdendo nos pênaltis para a Itália. Também venceu o Campeonato Mundial de Futebol Sub-17 em 2001.

Nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, realizada na África do Sul, após ter ficado no 2° lugar de seu grupo, perdendo a vaga direta para a Sérvia, a França apenas conseguiu o seu lugar na repescagem, diante da Irlanda, com um gol polêmico, em que o atacante Thierry Henry conduziu a bola com a mão antes de fazer o passe para o seu companheiro de equipe, Gallas, que completou a jogada marcando o gol da classificação.

Na Copa do Mundo, porém, marcou apenas um ponto nos três jogos que disputou e foi eliminada na fase de grupos. Durante o fracasso na Copa, muitos problemas internos chegaram ao conhecimento público, como as brigas entre o atacante Nicolas Anelka (que viria a ser cortado ainda na disputa do certame) e o treinador Raymond Domenech, e entre os meias Gourcuff e Matuidi, fatos que, provavelmente, afetaram o desempenho do time em campo.

Após a má campanha da seleção nacional na África do Sul, parlamentares franceses se reuniram em 30 de junho para discutir este fraco desempenho. Integrantes da comissão técnica, incluindo o treinador Raymond Domenech, foram ouvidos a portas fechadas. Políticos presentes no encontro afirmaram que o técnico responsabilizou a imprensa pela campanha. Já o presidente da FIFA, Joseph Blatter, disse que a França corre o risco de suspensão caso o governo do país decida intervir no futebol.

Em 2012 a França disputa a Eurocopa e vai as quartas de finais, quando foram batidos pelos futuros campeões, a Espanha por 2 a 0.

Na Copa do Mundo FIFA 2014, que teve o Brasil como sede, a França não pode contar com seu principal jogador, Frank Ribery, cortado semanas antes do mundial, por uma lesão, mas mesmo assim a França consegue mostrar um bom futebol, com Karim Benzema e Olivier Giroud no ataque, Mathieu Valbuena, Paul Pogba, Blaise Matuidi e Cabaye no meio, Patrice Evra, Sagna, Raphaël Varane e Mamadou Sakho na defesa, e Hugo Lloris no gol. Na estreia a França vence a fraca seleção de Honduras por 3 a 0. Na segunda rodada, a França supera a retranca da Suíça e vence por 5 a 2 na Arena Fonte Nova. Classificada para as oitavas de final, a França empata com o Equador por 0 a 0 na última rodada. Nas oitavas, os franceses bateram a Nigéria por 2 a 0. A boa campanha francesa teve fim nas quartas de final, com a derrota de 1 a 0 para a Alemanha, que seria a campeã do torneio.

Em 2016 a França foi a sede da Eurocopa. Com um time promissor os franceses começaram sua preparação para a competição já em 26/06/2015, enfrentando o Brasil em casa, numa derrota decepcionante por 3 a 1. Três dias depois fez outro amistoso, e venceu por 2 a 0 a Dinamarca. No dia 07/06 volta a falhar e perde um amistoso para a Bélgica por 4 a 3. A partir de setembro a França começou a fazer outra série de amistosos, e os bons resultados começaram a aparecer. Vitória sobre Portugal por 1 a 0 no dia 04/09, goleada sobre a Armênia em 08/10 por 4 a 0 e vitória sobre os atuais campeões mundiais por 2 a 0 em 13/11. Em 2016 vence a Holanda por 3 a 2, a Rússia por 4 a 2, Camarões também por 3 a 2 e por último a Escócia por 3 a 0.

Na Eurocopa, liderada por Antoine Griezmann, melhor jogador do torneio e artilheiro da competição, a França chega até a final como grande favorita ao título depois de superar a Alemanha na semifinal. Porém os donos da casa acabaram por amargar o vice-campeonato diante de Portugal que venceu por 1×0 com gol marcado durante a prorrogação.

E agora, nos jogos pela Copa do Mundo de 2018, a França foi a campeã.

Na França, só se fala francês?

O idioma oficial da França é o francês, proveniente do franciano, variante linguística falada na Ilha de França que nos princípios da Idade Média e, ao longo dos séculos, se impôs ao resto das línguas e variantes linguísticas que se falam em quaisquer partes da França. Também há línguas minoritárias, como o catalão, o bretão, o corso, o occitano, o provençal, o franco-provençal, o basco e o alsaciano.

Apesar disto, esta imposição do francês tem sido fruto de decisões políticas tomadas ao longo da história, com o objetivo de criar um Estado uniformizado linguisticamente. Feito isto, o artigo segundo da constituição francesa de 1958 disse textualmente que La langue de la République est le français(A língua da República é o francês)

Do século XVII a meados do XX, o francês serviu como língua internacional preeminente da diplomacia e das relações internacionais, bem como uma língua franca entre as classes cultas da Europa.  A posição dominante da língua francesa nas relações internacionais tem apenas sido desafiada recentemente pelo inglês, desde o surgimento dos Estados Unidos como uma grande potência.

Religiões

França é um país secular e a liberdade de religião é um direito constitucional. O governo francês não mantém estatísticas sobre adesão religiosa, no entanto existem algumas estimativas não oficiais. O catolicismo romano tem sido a religião predominante na França há mais de um milênio, embora não seja tão ativamente praticado hoje como era antes. Uma pesquisa realizada pelo jornal católico La Croix descobriu que, enquanto em 1965, 81% franceses se declaravam como católicos, em 2009 essa proporção era de 64%. Além disso, embora 27% dos franceses iam à missa uma vez por semana ou mais em 1952, apenas 4,5% o fizeram em 2006; 15,2% assistiam à missa pelo menos uma vez por mês. O mesmo estudo constatou que os protestantes responderam por 3% da população, um aumento em relação às pesquisas anteriores e 5% seguiam outras religiões, sendo que os restantes 28% declarando que não tinham nenhuma religião.

De acordo com uma sondagem de janeiro de 2007 realizada pela Catholic World News, apenas 5% da população francesa frequentava a igreja regularmente (ou 10% frequentam os serviços da igreja regularmente entre os entrevistados que se identificaram como católicos). A pesquisa mostrou que 51% dos entrevistados se identificou como católicos, 31% se identificou como agnósticos ou ateus (outra pesquisadefine a proporção de ateus como igual a 27%), 10% se identificou como sendo de outras religiões ou sem opinião, 4% identificados como muçulmanos, 3% se identificaram como protestantes, 1% se identificaram como budistas e 1% se identificaram como judeus. Enquanto isso, uma estimativa independente do politologista Pierre Bréchon, em 2009, concluiu que a proporção de católicos havia caído para 42% enquanto o número de ateus e agnósticos havia subido para 50%. Os valores mais recentes da World Christian Database datados de 2010 e divulgados pelo site The ARDA mostram que 68,23% dos franceses são seguidores do cristianismo, 16,41% são agnósticos, 8,55% são muçulmanos, os ateus são 4,13%, os judeus 1% e outras religiões são seguidas por 1,67% da população. De acordo com o Fórum Pew, no país, os defensores de uma lei de 2004 que proíbe o uso de símbolos religiosos nas escolas dizem que protegem as meninas muçulmanas de serem forçadas a usar um lenço na cabeça, mas a lei também restringe aqueles que querem usar o véu — ou qualquer outro símbolo conspícuo religioso, incluindo grandes cruzes cristãs e turbantes do siquismo — como expressão de sua fé.”

De acordo com pesquisa do Eurobarômetro, de 2005 34% dos cidadãos franceses responderam que “acreditam que existe um deus”, enquanto 27% responderam que “acreditam que existe algum tipo de espírito ou força vital e 33% que “não acredito que haja qualquer tipo de espírito, deus, ou força vital.” Um outro estudo mostra 32% de pessoas na frança se declaram como ateus e outros 32% declaram-se como “cético sobre a existência de Deus, mas não um ateu.”  Segundo pesquisa de 2010, também do Eurobarometer, a França é o país mais ateu da Europa, com 40% da sua população não acreditando na existência de um deus; 27% dos franceses disseram crer em algum deus, ao passo que 27% acreditavam em algum tipo de espírito ou força vital.

As estimativas do número de muçulmanos na França variam amplamente. De acordo com o censo francês de 1999, havia 3,7 milhões de pessoas “provavelmente de fé muçulmana” no país (6,3% da população total). Em 2003, o Ministério do Interior francês estimou que o número total de muçulmanos estava entre cinco e seis milhões (8–10%)

Desde 1905 o governo francês tem seguido o princípio da laicidade, em que é proibido de reconhecer qualquer direito específico de uma comunidade religiosa. Em vez disso, o governo apenas reconhece as organizações religiosas, de acordo com critérios formais legais que não tratam a doutrina religiosa. Por outro lado, as organizações religiosas devem abster-se de intervir na elaboração de políticas.

E quanto aos mórmons? Eles estão também na França?

Templo de Paris França

Imagem via mormonnewsroom.org.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na França

O apóstolo John Taylor foi chamado em uma missão à França em outubro de 1849. A primeira congregação de seis membros foi organizada em Abril de 1850 em Boulogne-sur-Mer. Em 24 de Julho de 1853, nove ramos (pequenas congregações) foram formados com 337 membros, incluindo 289 das Ilhas do Canal.

Após a Segunda Guerra Mundial, a reconstrução havia começado e os esforços de ajuda humanitária da Igreja haviam sido mobilizados, os missionários foram novamente enviados para a França e os membros começaram a aumentar. Em 1955, o Coro do Tabernáculo Mórmon realizou sua turnê histórica pela Europa, tocando no Palais de Chaillot em Paris. Na época, a filiação à Igreja na nação era de apenas 1.500. A primeira reunião da França foi concluída em Nantes em 1962. Em 1974, 29 membros franceses estavam servindo como missionários para a Igreja.

O número de membros em 1975 era de 10.000 e, em 1985, era de 16.500. Hoje, os membros somam quase 40 mil membros, muitos dos santos dos últimos dias da segunda, terceira e quarta geração. Os membros da Igreja no país são organizados em sete estacas (dioceses) que se reúnem em 109 congregações. As capelas locais servem para atividades da Igreja de todos os tipos. Há atividades esportivas, como tênis de mesa, basquete e vôlei, para crianças e grupos de jovens. Além disso, há eventos culturais, como apresentações de dança, musicais e teatrais.

Altos ideais são ensinados com forte ênfase na vida familiar, abstinência de álcool e tabaco e compromisso com altos padrões morais que caracterizam as crenças dos santos dos últimos dias. Os conversos vêm de uma ampla faixa etária e de todos os grupos socioeconômicos. O famoso Coro do Tabernáculo Mórmon se apresentou em Estrasburgo em 1991 e em Marselha em 1998.

Serviços humanitários totalizando milhões de dólares foram dados em todo o mundo. Alívio sem considerar raça, nacionalidade ou religião é dado. Alimentos, roupas, suprimentos médicos e ajuda econômica continuam a aliviar o sofrimento das pessoas carentes. Os europeus orientais recebem assistência especial.

Na Franças, há 2 missões, 39.029 membros divididos em 109 congregações. 69 Centros de História da Família e um templo.

Relacionado:

Sister Aburto compartilha milagre familiar durante a Copa do Mundo

 

The post A história dos mórmons na França appeared first on Mormonsud.net.

O post A história dos mórmons na França apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *