A polêmica envolvendo o código de honra da universidade BYU

Uma ex-estudante da Universidade Brigham Young (BYU), mantida pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias criou uma conta no Instagram para “denunciar” abusos cometidos pelo Escritório do Código de Honra – o departamento da Universidade responsável por zelar pelo Código de Conduta dos Alunos.

A conta recebeu centenas de seguidores em pouco tempo e milhares de reações. Alguns alunos passaram a protestar em frente a Universidade. Vários jornais dos Estados Unidos deram atenção ao ocorrido – o que aumentou consideravelmente os fatos, gerando uma polêmica sobre os procedimentos da BYU.

O Código de Honra da BYU

Todas as universidades nos Estados Unidos têm um código de conduta que delineia as expectativas de comportamento de seus alunos. A BYU também, mas o chama de Código de Honra, que é baseado nos padrões morais defendidos pela Igreja.

Você pode acessar o Código de Honra aqui (somente em inglês).

O Diretor do Departamento do Código de Honra, Kevin Utt garante que caso os alunos se desviem dos padrões esperados possam receber ajuda para “voltarem a uma situação regular o mais rápido possível.”

“Queremos que os estudantes tenham sucesso aqui. Como em outras universidades, o processo de conduta do estudante existe para proteger os interesses da comunidade e orientar aqueles cujo comportamento não está de acordo com suas políticas. As ações do Escritório do Código de Honra pretendem desenvolver a tomada de decisões morais e éticas dos alunos.

A grande maioria dos estudantes envolvidos nos casos do Código de Honra permanece totalmente matriculada na universidade. Em média, entre 10 e 15 alunos são expulsos da universidade a cada ano de uma população de 33.000 alunos, embora o número seja menor nos últimos 12 meses. As decisões são cuidadosamente consideradas, pois o HCO se esforça para proteger os direitos, a saúde e a segurança de todos os membros da comunidade da BYU.”

O que é verdade e o que é mentira sobre o Código de Honra?

Kevin ouviu os alunos que desejam mudanças e concedeu uma entrevista para esclarecimentos. Muitas mentiras e meias verdades foram esclarecidas. Eis algumas:

  • Nenhum aluno se mete em problemas por deixar de relatar algo ao Escritório do Código de Honra. “Um dos nove princípios do Código de Honra declara: “Incentive os outros a se comprometerem a cumprir o Código de Honra.” Incentivar não é sinônimo de “dedurar alguém”. Encorajar é um verbo que significa dar apoio, confiança ou esperança alguém. Somos todos membros da comunidade da BYU – milhares de pessoas se unindo para desenvolver a fé, o intelecto e o caráter, e devemos sempre buscar amor e apoio aos que nos rodeiam” disse Kevin.
  • O Escritório não usa relatórios anônimos para investigar, processar e expulsar alunos. A única exceção é quando o comportamento relatado possa afetar a segurança física dos membros da comunidade do campus.
  • Os líderes eclesiásticos não compartilham informações privadas com o Escritório do Código de Honra. Isso é falso. Os bispos “NÃO têm permissão para revelar conversas confessionais ao Escritório de Código de Honra, a menos que o aluno tenha assinado voluntariamente uma isenção de privacidade. Um bispo não compartilha nenhuma informação com o Escritório, e o Escritório não compartilha nenhuma informação com um bispo ou outro líder eclesiástico sem o consentimento prévio por escrito do aluno. O Escritório respeita o direito do aluno de não dar o consentimento por escrito se não quiser fazê-lo.
  • Não existe uma obsessão para submeter alunos a processos disciplinares ou expulsá-los. “Antes que qualquer ação seja tomada, o aluno receberá primeiro uma notificação sobre a natureza da suposta violação e terá a oportunidade de responder. De longe, a maioria dos casos abordados através do escritório de conduta estudantil da BYU é iniciada por estudantes que se informam de uma violação. De acordo com os requisitos de todas as universidades, qualquer pessoa pode encaminhar um aluno ao Escritório por uma violação do Código de Honra, independentemente de a conduta alegada ter ocorrido dentro ou fora do campus. Solicita-se que a pessoa que envia um relatório se identifique e forneça informações sobre a suposta violação que auxiliará a universidade em sua revisão. Sabemos que só porque algo foi alegado não o torna verdadeiro; É por isso que existe um processo de revisão”, explicou o diretor.

“É inevitável que a comunicação inicial e qualquer revisão posterior do Escritório do Código de Honra gerem sentimentos de ansiedade. Não é nosso desejo que os alunos se sintam assim. Muitos não estão cientes de que os alunos podem trazer alguém com eles para apoio. Muitos não entendem que pequenas infrações do Código de Honra não resultarão em uma separação da universidade.”

O Diretor do Departamento do Código de Honra também afirma que os “casos que podem resultar na separação do estudante da universidade recebem um nível extra de escrutínio no processo de tomada de decisão. Esses casos são discutidos pelo Comitê do Código de Honra, que é composto pelo pessoal do escritório do Código de Honra, bem como por um profissional de saúde mental do Departamento de Aconselhamento e Serviços Psicológicos. Se a ação recomendada pelo comitê for suspensão ou expulsão, o caso é encaminhado ao Decano Associado de Estudantes.”

Processo disciplinar na Igreja e o procedimento disciplinar da BYU

Alguns alunos reclamam que o Processo Disciplinar na Igreja já estabelece sanções para as pessoas que se desviarem do padrão moral da Igreja. Entretanto, nem todos os alunos da BYU são membros da Igreja e, como já falado, o processo disciplinar da Igreja não é relatado para Universidade, a menos que o aluno concorde por escrito – o que não é tão comum. Kevin escreveu ainda:

A BYU busca desenvolver estudantes de fé, intelecto e caráter que possuam as habilidades e o desejo de continuar aprendendo e de servir ao próximo durante toda a vida. Essa missão está alinhada com o propósito de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Com isso dito, as universidades precisam operar de maneira diferente das igrejas. Governos, tribunais, órgãos de credenciamento e outras organizações externas estabelecem muitos dos parâmetros e requisitos para o funcionamento das universidades. Isso é especialmente verdadeiro ao abordar a conduta do aluno. Somos obrigados a operar em um relacionamento contratual com os alunos.

As ações de um estudante podem violar tanto o Código de Honra quanto os padrões estabelecidos pela Igreja de Jesus Cristo e, embora as ações possam ser as mesmas, nosso escritório e líderes eclesiásticos abordarão o comportamento de maneira diferente. O processo dos bispos dirige-se ao arrependimento, pecado, perdão e dignidade. O processo do Escritório aborda princípios, integridade, compromisso e boa posição em relação ao Código de Honra. O Escritório não avalia os pecados nem determina a dignidade e o perdão. Certamente incorpora Deus, a espiritualidade e a Igreja nas conversas que tem com os alunos, mas não é com a intenção de ajudar os alunos a buscar perdão ou tornar-se dignos. Em vez disso, é para ajudar os alunos a refletir e avaliar seu comportamento no âmbito do compromisso do Código de Honra que fizeram ao entrar na BYU.

Conclusão

Como eu vivo em meio aos alunos da BYU, pude ouvir vários deles e perceber suas perspectivas diversas. Bem, não tão diversas assim. Diferente do que muitos da mídia reportaram, não existe uma grande comoção. Vários dos alunos gostam do Código de honra e o defendem.  De fato, a grande maioria não deseja mudanças no Código de Honra, pois dizem que ao vir para BYU, o aluno se comprometeram por escrito a viver padrões elevados. Para eles a grande diferença da BYU se mostra justamente no Código de Honra. 

Alguns alunos sugerem pequenas mudanças, como o impedimento do uso de barba para rapazes. Tais mudanças já aconteceram no passado. E provavelmente voltaram a acontecer.

Outros alunos, que formam uma pequena minoria, desejam que o Código de Honra seja drasticamente alterado ou que deixe de existir. Esses, até onde pude verificar, também questionam, nas redes sociais, aspectos históricos da Igreja, posicionamento de líderes gerais e politicas e normas da Igreja hoje.

Independentemente da opinião que eles ou nós tenhamos, devemos lembrar que a BYU é uma universidade privada, vinculada e mantida pela Igreja; os aspirantes à BYU são entrevistados por líderes eclesiásticos e estão cientes dos padrões e regras – e assinam um termo se comprometendo a viver o evangelho; os líderes da BYU estão atentos e dispostos a conversar com os alunos; e, finalmente, os procedimentos do Escritório do Código de Honra correm de modo transparente, e os envolvidos nos processos disciplinares possuem direito de ampla defesa.

O post A polêmica envolvendo o código de honra da universidade BYU apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *