É possível ficar espiritualmente fracos sem percebermos?

Um declínio espiritual – que consequentemente nos leva para uma ruína espiritual – raramente acontece da noite para o dia. Começa com pequenas ações e decisões imprudentes que, a princípio, não nos afetam mas quando acumulados ao longo do tempo, resultam em consequências terríveis.

Podemos ler nas escrituras os relatos de grandes homens que pareciam tão temíveis para seus inimigos físicos e espirituais, mas que acabaram caindo devido ao descuido. Um bom exemplo disso é a história de Leônti, um poderoso líder militar dos lamanitas no Livro de Mórmon.

Envenenado aos poucos

Leônti e seu exército escaparam para o monte Antipas porque não queriam obedecer ao rei e ir à guerra contra os nefitas. O rei ficou zangado com eles e enviou Amaliquias e seus homens para subjugá-los. Amaliquias, em vez de batalhar contra Leônti, propôs uma aliança secreta com ele.

Amaliquias elogiou Leônti e o levou a acreditar que ele poderia se tornar um herói do exército lamanita. Então, Leônti baixou a guarda. Amaliquias aproveitou-se da situação e “fez com que um de seus servos administrasse veneno, aos poucos, a Leônti, de modo que ele morreu (Alma 47:18)”. E assim foi o fim do poderoso líder Leônti, que foi enganado e substituído pelo astuto Amaliquias.

Os indícios do declínio espiritual

Cientificamente, o corpo humano reage contra objetos estranhos, como veneno, quando em contato com as células . Então, no caso de Leônti, acho que ele pode ter sentido que algo estava errado com seu corpo muito antes de ser envenenado até a morte. Ele deve ter sentido os seguintes sintomas – vômitos, dor abdominal, tontura e desidratação. Esses desconfortos físicos, entretanto, não ajudaram Leônti a salvar sua vida porque ele decidiu ignorá-los ou os reconheceu tarde demais.

Da mesma forma, vamos recebendo certos avisos sobre o declínio de nossa espiritualidade antes que isso nos leve a algo sério. Depende de nós se vamos prestar atenção ou ignorar tais sinais.

Eu listei aqui cinco desses sinais que precisamos estar cientes se quisermos manter um alto nível de espiritualidade.

Concentrar-se no que é importante para o mundo

Jesus Cristo nos aconselhou a “estar no mundo, mas não ser do mundo (João 15:19)”. O que Ele quis dizer com isso foi que, embora vivamos neste mundo imperfeito e decaído, não devemos agir como pessoas decaídas.  Não devemos ceder à “concupiscência da carne [e] dos olhos e da soberba da vida (1 João 2:16)”.

Não ser do mundo também significa não deixar o que é importante para o mundo nos afetar. Às vezes, tentamos agradar as pessoas ao nosso redor às custas do nosso relacionamento com Deus. O Élder Massimo De Feo disse que muitos de nós “hesitamos em fazer as escolhas certas, porque tentamos agradar ao Senhor sem ofender a Satanás”. No entanto, o desejo de agradar a todos, de permanecer no meio termo e de ser cuidadoso demais ao escolher um lado frequentemente nos tira do caminho.

Sem ter um terreno firme para ficar, não podemos plantar nossa semente de fé. Nossa espiritualidade não florescerá. Precisamos aprender a permanecer firmes e com a cabeça erguida para não sermos influenciados pelas opiniões inconstantes do mundo.

Procrastinação

Um exemplo de um procrastinador na Bíblia é o profeta Jonas. O Senhor ordenou que ele fosse pregar o evangelho em Nínive. Contudo, em vez de responder imediatamente ao chamado do Senhor, ele fugiu na direção oposta. O Senhor ensinou uma lição a Jonas e ele acabou dentro da barriga de um peixe grande (ao qual a maioria das pessoas se refere como baleia) por três dias e três noites (Jonas 1:17).

Ao contrário de Jonas, não seremos engolidos por um peixe grande quando falharmos ao guardar imediatamente os mandamentos do Senhor. No entanto, os efeitos de nossa procrastinação, mesmo em ações aparentemente pequenas e repetitivas, terão um grande impacto em nosso futuro.

Cada oração, sessão de estudo das escrituras, reunião sacramental e ministração é um elemento fundamental de nossa fé. Se não fizermos essas coisas, perderemos também nossa oportunidade de crescer mais com confiança em Deus.

Não procrastine um pouco apenas para descobrir que aquele pouco se tornou muito.

Racionalizar

Outro sinal de fraqueza espiritual que não tão óbvia é a racionalização ou justificação de nossas ações e decisões insensatas. Como é fácil justificar que faltamos à igreja para ver um amigo que não vemos há muito tempo! Ou racionalizar que Deus vai entender quando não fazemos nossas orações à noite porque estamos cansados demais por causa de nosso trabalho.

A verdade sobre a racionalização é que isso acontece porque a pessoa que executou a ação ou tomou a decisão já sabia que o que ela fez estava errado. No entanto, a pessoa está apenas tentando diminuir seus sentimentos de culpa dizendo que a ação aconteceu porque ela não tem outra escolha. Mas, na realidade, todo mundo tem uma escolha e nenhuma racionalização pode justificar uma ação errada.

Todos nós precisamos entender que o que está errado nunca pode estar certo, mesmo com “razões aparentemente aceitáveis”.

Murmurar

As nações rivais do Livro de Mórmon, os lamanitas e os nefitas, eram descendentes de irmãos de sangue – Lamã e Lemuel para os lamanitas e Néfi e Sam para os nefitas. Esses quatro irmãos costumavam ter um bom relacionamento um com o outro. O que os separou foi a escolha de Lamã e Lemuel de murmurar contra seu pai Leí, um profeta que foi chamado pelo Senhor para deixar Jerusalém durante o reinado do rei Zedequias.

A princípio, os murmúrios de Lamã e Lemuel pareciam ser inofensivos. Não importa com que relutância esses filhos mais velhos de Leí ainda estavam obedecendo à ordem do Senhor de retornar a Jerusalém com seus irmãos mais novos, Sam e Néfi, e buscar as placas de latão. No entanto, quando a tarefa se tornou difícil, seus murmúrios conseguiram levá-los ao ponto de agredir fisicamente seus irmãos mais novos.

Às vezes somos como Lamã e Lemuel que constantemente murmuram, mas ainda obedecem aos mandamentos de Deus e dos líderes da Igreja? Como eles, pensamos que não há mal algum em murmurar porque são apenas palavras? E, como eles, às vezes também ficamos surpresos ao descobrir como nossos murmúrios rapidamente se transformaram em ações imprudentes?

confessar

Murmurar não é algo tão inocente quanto você pensa que é. Geralmente leva a pensamentos negativos, a dúvidas, ao enfraquecimento da fé e à separação de Deus. Que aprendamos uma lição da vida de Lamã e Lemuel de como poucos murmúrios resultaram na divisão trágica de uma nação!

Ser complacentes

O último sinal revelador de fraqueza espiritual é ser complacente em relação à nossa espiritualidade. Esta palavra é muitas vezes confundida com a palavra contentamento. Estar contente significa ser grato a Deus por tudo o que Ele nos deu. Significa ser um mordomo pró-ativo e digno das bênçãos temporais e espirituais, bem como dos talentos que Ele nos deu. Por outro lado, ser complacente significa estar satisfeito com a forma como as coisas são, mas não fazendo nenhum esforço para melhorá-las.

Para dar um exemplo claro do contraste entre estar contente e ser complacente, usarei a Parábola das Dez Virgens. As cinco virgens sábias estavam contentes. Eles estavam felizes e animadas em fazer parte do casamento de um noivo importante. Vestiram-se bem para a ocasião e trouxeram os materiais necessários – lâmpadas e óleo. Sabendo que elas iriam esperar por um longo tempo, elas foram sábias o suficiente para comprar óleo extra. Elas sabiam da importância de sua parte no casamento e eram proativas em mostrar que estavam preparadas para estar lá.

Por outro lado, havia cinco virgens insensatas. Elas usavam os mesmos trajes bonitos e tinham as mesmas lâmpadas e quantidade de óleo que as cinco virgens sábias. Mas, diferentemente das outras cinco, elas não eram sábias administradoras das coisas que lhes eram dadas. Eles eram muito complacentes.

Enquanto as outras cinco virgens prudentes pensaram em comprar óleo extra, elas ficaram para trás e provavelmente deixaram o tempo passar enquanto esperavam a abertura das portas da igreja. Elas logo ficaram sem óleo e não foram autorizadas a participar do casamento.

Às vezes, erroneamente pensamos que estamos contentes com nossas vidas quando estamos apenas sendo complacentes. Acendemos nossas lâmpadas até ficar sem óleo, sem pensar em comprar ou trazer algo a mais.

Não há nada de errado em ser grato a Deus por nossas bênçãos. Mas, se não estamos usando essas bênçãos para alcançar propósitos justos, então corremos o risco de sermos complacentes. Podemos mostrar a Deus que estamos agradecidos e contentes ao usar as bênçãos que Ele derramou sobre nós para melhorar nossas próprias vidas, ter crescimento espiritual e enriquecer os outros.

Evitemos um declínio espiritual gradual, mantendo-nos longe desses cinco sinais reveladores. Vamos, em vez disso, fortalecer nossa espiritualidade sendo discípulos pró-ativos de Jesus Cristo.

Fonte: Faith.ph

Relacionado:

Você está dando a devida atenção ao seu testemunho?

O post É possível ficar espiritualmente fracos sem percebermos? apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *