Guia da irmã Kimball para a felicidade na vida, no amor, no casamento, na educação e no evangelho

O Élder Spencer W. Kimball e sua esposa, a irmã Camilla Eyring Kimball, posam para uma foto em sua casa na década de 1960, cerca de 20 anos depois que ele foi chamado para servir no Quórum dos Doze Apóstolos. Foto: Arquivo do Deseret News

Spencer conheceu a irmã Camilla Eyring Kimball alguns meses depois de começar a trabalhar como escritor em 1972.

Tendo apoiado seu marido, o Presidente Spencer W. Kimball, em seus chamados na Igreja desde que ele foi chamado como secretário da estaca três semanas após seu casamento em 16 de novembro de 1917, os sentimentos de responsabilidade da irmã Kimball aumentaram quando ele foi designado presidente da Igreja em 30 de dezembro de 1973.

Em uma entrevista no início de janeiro de 1974, a irmã Kimball usou uma palavra para expressar seus sentimentos em relação a suas responsabilidades: ansiedade.

Além de sentir o peso que repousou sobre os ombros de seu marido, ela tinha um grande trunfo: o amor.

“Eu amo as pessoas”, disse ela. “Adoro divertir-me e adoro rir. Eu amo o evangelho e sinto que a única maneira que uma pessoa pode se sentir à vontade, segura e feliz é por meio da vivência do evangelho. Tenho uma certeza real da veracidade do evangelho.

“Eu percebo que algumas pessoas tendem a julgar a Igreja pelas pessoas. Uma coisa que sempre tentei ensinar aos nossos filhos era que as pessoas não são perfeitas, mas o plano do evangelho é perfeito. Eu disse aos nossos filhos para nunca serem desinformados pelo que um indivíduo faz. Se um bispo ou uma autoridade geral cometer um erro, isso não tem efeito sobre a veracidade do evangelho.”

Como professora de viver espiritual da Sociedade de Socorro de sua ala, ela viu os resultados bem-sucedidos de seus desafios para as mulheres de ler  escrituras e livros referentes aos assuntos que estavam discutindo. 72 mulheres aceitaram seu desafio de ler o Livro de Mórmon; 12 leram três vezes.

A irmã Kimball disse que as mulheres deveriam estar melhorando constantemente. “É importante que uma mulher permaneça viva intelectualmente”, disse ela. “É muito fácil ficar preguiçoso quando você é mais velho e não se sentir motivada a fazer o melhor uso do tempo.

Uma foto de casamento de Spencer W. Kimball e Camilla Eyring. Foto: Deseret News

“Eu acho que as mães precisam estar alerta para as influências que seus filhos estão enfrentando para que sintam simpatia com as tentações que os confrontam. Até as avós devem ser influentes para seus netos.”

“Ao expressar uma firme convicção de que não há felicidade ou satisfação em desperdiçar tempo ou desviar-se da vida construtiva”, a irmã Kimball disse: “uma pessoa sempre tem que recuar se estiver indo pelo caminho errado, e é muito difícil compensar o desperdício de tempo.”

Ela enfatizou a importância da educação. Ela era professora de escola quando viu Spencer W. Kimball pela primeira vez.

“Foi em um baile, e não foi uma experiência muito boa”, disse ela com uma risada. “Eu era uma garota nova por ali e ele não dançou comigo. Fiquei um pouco chateada com ele. Pensei que era o mínimo que ele podia fazer. Isso foi antes de ele sair em missão. Depois que ele voltou para casa ele tinha muitas pretendentes.

“A próxima vez que o vi foi depois que ele chegou em casa de sua missão. Eu estava ensinando na escola no Arizona e estava esperando para ir para casa no ônibus. Ele estava indo para minha cidade natal para visitar um amigo. Ele se apresentou e nós sentamos juntos no ônibus. Ele perguntou se podia vir me ver. Nos conhecemos em setembro e nos casamos em novembro.”

O evangelho engloba tudo. Ele foi projetado para fazer as pessoas felizes.

A irmã Kimball tinha visões definitivas sobre o amor. “É algo que cresce”, disse ela. “Eu acho que a compatibilidade é uma coisa muito importante; é importante termos interesses comuns, ideais comuns e objetivos comuns.

“Este é o alicerce sobre a qual construímos o amor. Creio que muitas pessoas pensam que paixão é amor, mas há muitas coisas além de apenas atração física, embora eu acho que é importante também. Mas isso é apenas uma faceta.”

Ela atribuiu seu casamento bem-sucedido ao seu apreço pela atitude do evangelho em relação ao casamento e à vida. “Sabemos que o casamento é eterno e estamos fazendo nosso futuro, assim como nosso presente. Temos os mesmos ideais, e nossas origens são semelhantes; nenhum de nós vem de família rica. Nós tivemos que economizar e nossos valores de dinheiro são os mesmos. Partilhamos a mesma ambição pela educação e pelo evangelho.

“Às vezes, a jornada tem sido um pouco difícil. Nós passamos pela depressão, mas sabíamos como economizar. Nunca tivemos dívidas; Nós nunca vivemos além de nossos meios. Era uma ideia firme para nós dois que ‘não compramos nada que não tenhamos recursos para ter’”.

Entre muitos interesses comuns do casal Kimball estavam seu amor por viajar e dançar. Eles viajaram por todos os Estados Unidos com os filhos pequenos, ficando em hotéis baratos e levando a própria comida com eles.

Em sua vida conjugal mais jovem, o presidente e a irmã Kimball eram membros ativos de um clube de dança. “Dançamos todas as semanas”, disse ela, “mas à medida que ficamos mais velhos, tornou-se evidente que estávamos tão ocupados que tivemos que largar algumas das atividades que desfrutávamos quando éramos mais jovens”.

A rota da irmã Kimball para a felicidade não era um segredo bem guardado: “as pessoas podem encontrar a felicidade por meio da vivência do evangelho. Ele engloba tudo. Foi projetado para fazer as pessoas felizes”.

Fonte: Church News

Relacionado:

Como posso ter um casamento feliz?

O post Guia da irmã Kimball para a felicidade na vida, no amor, no casamento, na educação e no evangelho apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *