Mensagem da Irmã Craven sobre esperar no Senhor e o tempo Dele

Irmã Becky Craven acompanhada por Grace e Carol McIlrath. Foto: Cortesia da presidência geral das Moças.

PROVO, Utah — Há uma diferença gritante entre a esperança em um sentido mundano e a esperança em Cristo.

A esperança em um sentido mundano é preocupante, inquietante ou desejosos”, disse a irmã Becky Craven, segunda conselheira na presidência geral das Moças. “A esperança em um sentido do evangelho é a esperança em Cristo. E a esperança em Cristo significa simplesmente que confiamos Nele e confiamos no plano do Pai Celestial. (…)

Portanto, a esperança é expectativa, mesmo antecipação da felicidade não só no outro, mas uma expectativa de que podemos ter alegria e contentamento agora, independentemente de nossas circunstâncias.”

Durante uma sessão da Conferência de Mulheres da BYU em 2 de maio, a irmã Craven compartilhou algumas das provações que ela e sua família enfrentaram na vida ao abordar como ter esperança em meio as lutas.

Esperar no Senhor não é fácil, disse ela, porque a frase é muitas vezes mal compreendida. Esperar pode significar ficar sufocado ou um tempo ou parado. “Mas ‘esperar no Senhor ‘ é ser sendo paciente enquanto avança com confiança, fé e confiança no plano do senhor para nós”.

Irmã Becky Craven, segunda conselheira na Presidência Geral das Moças foto: Intelectual Reserve, Inc.

O Senhor, às vezes, dá desafios personalizados e feitos sob medida, projetados para ajudar Seus filhos a crescerem, disse a irmã Craven.

Por exemplo, quando ela foi designada como missionária para servir com seu marido quando ele presidiu a Missão Carolina do Norte Charlotte, foi prometido a ela em uma bênção que seus filhos e netos seriam abençoados com segurança e saúde enquanto eles estivessem longe.

No entanto, quando completou um ano que ela estava na missão, sua filha, Jana, deu à luz uma filha natimorta, Millee. A perda foi difícil para Jana, e embora ela estivesse ciente de muitos milagres, ela ainda estava cheia de perguntas, disse a irmã Craven. “Ela não conseguia entender por que tinha perdido seu bebê se tinha sido prometido a mim segurança perfeita e proteção para nossos netos.”

Em seguida, um pensamento miraculoso veio a ela: “Millee é perfeita”, disse a irmã Craven. Jana tinha sido abençoada com uma filha perfeita. Independentemente do quanto ela continuaria a sentir falta dela, ela não teria que se preocupar com ela. Millee seria exaltada.

Agora, enquanto Jana espera para se reencontram com sua filha, ela entra em contato com outras mães que perderam filhos, e sua família visita cemitérios com cestas de bolinhos de canela caseiros para compartilhar com os outros nos domingos de Páscoa.

“Sua família está avançando com confiança no plano que nosso Pai Celestial tem para eles e para Millee.”

Às vezes, como o Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, disse:

“algumas bênçãos chegam logo, algumas chegam tarde, e outras não chegam até que estejamos no céu, mas para aqueles que abraçam o evangelho de Jesus Cristo, elas veem”.

Dezesseis anos atrás, a irmã Craven e seu marido, o irmão Ronald L. Craven, quiseram adotar duas crianças da Rússia. “Nós nos apaixonamos por essas crianças e nos sentimos muito bem sobre com nossa decisão de trazê-los para nossa família”, disse ela.

Depois de gastar mais de um ano no processo legal e uma “boa parte de nossas economias” na adoção, disseram-lhes que as crianças não estavam mais disponíveis para adoção. “Não fomos autorizados a vê-las ou entrar em contato com elas. Em um instante, nós as perdemos.”

Irmã Bonnie H. Cordon, presidente geral das Moças, no centro, e suas conselheiras, a irmã Michelle D. Craig, à esquerda, e a irmã Becky Craven, à direita, participam da conferência de mulheres da BYU em Provo, Utah, na sexta-feira, 3 de maio de 2019. Foto: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Muitas perguntas permanecem sem resposta. “O que poderia estar errado em trazer um casal de crianças que amamos para a nossa família? Nosso coração estava disposto e nossos motivos eram puros. Por que aquilo tinha acontecido conosco? Mais importante, por que isso tinha acontecido com eles?” A irmã Craven disse.

No entanto, ela confia que o Senhor está ciente dessas crianças até agora. Ela manteve seus nomes nas listas de oração do templo por 16 anos e continuamente ora por sua segurança.

“Enquanto esperamos por respostas, continuamos prosseguindo com confiança no Senhor e em Seu plano para elas.”

Ao concluir, a irmã Craven disse: “Oro para que, enquanto continuamos em nossa jornada mortal, que por meio de Jesus Cristo, possamos não só encontrar paz e alegria para nós mesmos, mas que busquemos oportunidades para oferecer a ajuda muito necessária (…) àqueles que também esperam”.

Fonte: Church News

Relacionado:

[Ao Vivo] Conferência das Mulheres na BYU em português

O post Mensagem da Irmã Craven sobre esperar no Senhor e o tempo Dele apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *