Por que não devemos nos preocupar com o que os outros pensam de nós?

Durante grande parte da minha vida me preocupei demais com o que os outros pensavam de mim. E só percebi agora como isso era como veneno para a minha alma.

O orgulho nos convence que não nos importamos com o que as pessoas pensam de nós, a verdade é que sempre haverá espaço em nosso subconsciente para essa preocupação.

Você e eu sempre nos preocupamos com coisas que quase nunca conseguimos controlar.

Não importa o que façamos, as pessoas vão pensar o que quiserem. Eles vão interpretar seus olhares, suas expressões faciais, o seu tom, suas ações, seu modo de andar, o carro que você dirige, as roupas que veste, os amigos que você tem, a empresa que você trabalha, a igreja, o cônjuge que você tem, os filhos que você tem, as suas realizações, os seus fracassos, o lugar em que você nasceu, e a razão de sua morte.

Tudo isso será interpretado de forma diferente por pessoas em todos os momentos de sua vida. Uma pessoa pode gostar de você ou te odiar sem nenhuma razão aparente. E adivinha? Não há nada que possamos fazer.

A única coisa que podemos fazer é tentar dar o nosso melhor e deixar que os outros pensem o que quiserem. Mas, quando estamos tentando dar o nosso melhor, precisamos fazê-lo por nós mesmos e não porque queremos que os outros se impressionem conosco.

Quando eu tinha uns 25 anos, um rapaz em minha nova ala teve um acesso de honestidade e decidiu me dizer o que ele pensou de mim quando me viu pela primeira vez.

Ele disse: “não gostei muito de você quando te conheci. Não foi nada do que você disse ou fez, só não gostei da sua aparência. Você me lembrava de uma pessoa que não gostava no passado e por isso também não gostava de você.”

Eu não sabia como responder, então eu sorri e disse, “Legal… obrigado por me avisar.” A única razão pela qual este homem se sentiu à vontade para me dizer isso foi porque nos tornamos bons amigos ao longo do tempo. Mas, desde então, me pergunto quantas são as pessoas que sentem o mesmo por mim.

Usar as opiniões dos outros como nossa autoconfiança ou autoestima é destrutivo. Acredito verdadeiramente que estes são os responsáveis pela grande maioria da tristeza do mundo.

Quanto mais velho fico, mais percebo que é impossível agradar a todos e tenho lutado contra essa realidade. Tentei mudá-la e controlá-la. Se descobria que alguém não gostava de mim, eu me dava o trabalho de descobrir por que é que a pessoa não gostava de mim. Eu queria saber o que foi que fiz, o que disse ou qual foi o motivo para essa pessoa não gostar de mim.

“Se me conhecessem melhor, eles não pensariam isso de mim”, pensava eu. “Se ao menos eu pudesse mostrar para eles que… então certamente gostariam de mim e seríamos grandes amigos.” Mas não é assim que funciona. E tentar mostrar para todo mundo que tipo de pessoa você é pode ser uma jornada interminável, cansativa, e fadada a fracassar.

Uma das coisas mais importantes que você pode fazer em sua vida é superar a tendência de agradar a todos ou ser amado por todos. Nunca vai acontecer. Há algumas pessoas que são apreciadas por muitas gente, mas até mesmo esse tipo de pessoa terá alguém que não goste dela. Por alguma razão, alguém vai ter um problema com suas ações, palavras ou simplesmente com a sua cara. Cabe a nós mudar a forma como pensamos de nós mesmos e não nos preocuparmos com os pensamentos dos outros.

O apóstolo Paulo advertiu-nos do perigo de tentar ser apreciado por todos. Ele chamou as pessoas que estavam lutando para a adoração dos outros de ‘agradadores de homens’. Paulo aprendeu mais tarde na vida, que se ele cumprisse seu propósito de vida e cumprisse seus objetivos mais importantes como servo do Senhor, resultaria em ser odiado por uma grande maioria das pessoas.

Se tivesse tentado agradar as pessoas com que entrou em contato, ele teria se misturado com o povo e teria vivido uma vida muito mais tranquila. Paulo era um homem importante em sua época e poderia ter sido mais brando em suas ações, mas ao invés disso ele tomou uma posição ousada sobre questões importantes e tornou-se uma das figuras mais odiadas em Roma na época.

Ele aprendeu que tinha apenas um ser para agradar e adorar, e esse ser era Deus. Se outros zombavam dele, não importava. Ele sabia quem ele era. Se os outros gostassem ou não dele, não importava.

Jesus Cristo ensinou que “o reino de Deus está dentro de você.” Ele sabia que lá no fundo saberíamos se estivéssemos vivendo uma mentira, colocando uma fachada, ou vivendo para chamar a atenção e ou ganhar o reconhecimento dos outros.

Ele sabia que se fôssemos fiéis a nós mesmos e não às opiniões dos outros, encontraríamos paz nesta terra. Ele sabia que nunca poderíamos agradar a Deus se não estivéssemos bem conosco mesmos. Ajustar constantemente quem somos para fazer com que as pessoas gostem de nós é como viver numa prisão.

confessar

Para o dizer poeticamente, Dale Wimbrow escreveu em seu poema, ‘O Homem do Espelho’.

Quando conseguir tudo o que quer na luta pela vida

E o mundo fizer de você rei por um dia,

Procure um espelho, olhe para si mesmo

E ouça o que aquela imagem tem a dizer

Porque não será de seu pai, mãe ou irmão

O julgamento que terá de absolvê-lo.

O veredito mais importante em sua vida

Será o da imagem que o olha no espelho

É a ele que você deve agradar, pouco importam os demais

Pois será ele que ficará ao seu lado até o fim.

E você terá superado os testes mais perigosos e difíceis

Se a imagem no espelho puder chamá-lo de amigo

Na estrada da vida, você pode enganar o mundo inteiro

E receber palmadinhas no ombro ao longo do caminho,

Mas, seu último salário será de dores e lágrimas,

Se você enganou a pessoa que fita no espelho.

Você nunca será capaz de agradar a todos. Mas se você pode se olhar no espelho e saber que você fez o seu melhor e fez o que é certo apesar do que dizem sobre você, então você terá feito algo que poucos são capazes de fazer nesta terra.

Fonte: GregTimble.com

Relacionado:

Você se compara com os outros?

O post Por que não devemos nos preocupar com o que os outros pensam de nós? apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *