Quem foi o anjo enviado para confortar Jesus no Getsêmani?

Embora não tenhamos como saber definitivamente a identidade do anjo que visitou Jesus no Getsêmani, aqui estão alguns insights fascinantes do livro de Andrew Skinner, “Gethsemane.”

Ao descrever a experiência de Jesus no Getsêmani, Lucas confirma muitos detalhes encontrados nos outros três Evangelhos. Jesus saiu do cenáculo e foi “como de costume, ao monte das Oliveiras” (Lucas 22:39). Jesus estava acostumado a ir ao Getsêmani, como João indica (João 18: 1-2).

A narrativa de Lucas também inclui um detalhe impressionante não encontrado em nenhum outro lugar no Novo Testamento. Um anjo apareceu ao Salvador com o propósito de fortalecê-lo em sua dor.

Quem não tem seu coração tocado por essa cena? Sob extrema pressão, Jesus implora a seu Pai que remova a taça amarga. Este Filho é o Filho Amado. Ele nunca fez nada de errado, nunca! Ele é perfeito e sempre procurou honrar seu pai, fazer tudo certo, era bom e compassivo.

Mas a única coisa que o Pai não poderia fazer por seu Filho perfeito é a mesma coisa que seu Filho Bem Amado sugeriu – remover a taça amarga. Ele assistiu seu filho passar por toda essa agonia e muito mais. Talvez não seja exagero dizer que naquele momento fatídico no Jardim do Getsêmani, quase dois mil anos atrás, dois Seres divinos sofreram e se sacrificaram para trazer uma eternidade de possibilidades para você e para mim e bilhões e bilhões de outras pessoas.

O autor santo dos últimos dias, Edwin W. Aldous, disse:

“O próprio Pai testemunhou a intensa agonia física e espiritual de seu Filho Unigênito no Getsêmani e na cruz. E, assim como Ele pode remover nossa dor, Ele poderia ter poupado seu Filho daquela agonia. Na verdade, Ele tinha o poder de remover a taça amarga do Salvador, mas as consequências eram inaceitáveis.” (“Reflexão sobre o Poder de Cura da Expiação”, p. 13).

O irmão Aldous também menciona uma conhecida declaração do Élder Melvin J. Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, que é uma das maiores percepções sobre esse momento no Getsêmani que já foi escrita:

“Naquele momento em que Ele poderia ter salvo o seu Filho, agradeço-lhe e louvo-o por não ter falhado conosco, pois Ele não tinha apenas o amor de seu Filho em mente, mas também tinha o amor por nós. Eu me regozijo, porque Ele não interferiu, e o Seu amor por nós fez com que Ele suportasse olhar para os sofrimentos de seu Filho e dar-lhe finalmente a nós, nosso Salvador e nosso Redentor. Sem ele, sem o seu sacrifício, teríamos perecido, e nós nunca poderíamos voltar glorificados em Sua presença. Então este foi o custo, em parte, para nosso Pai Celestial dar o Seu Filho aos homens”. (Hinckley, sermões e serviços missionários de Melvin Joseph Ballard, 154-55)

Se a cena em Getsêmani toca nossas emoções, isso é bom. Deveria, pois estar também em nosso coração quem somos e quem podemos nos tornar.

Outro apóstolo, o Élder Jeffrey R. Holland, em um dia mais recente, também falou sobre a questão de nosso Pai Celestial não remover a amarga taça de seu Filho Unigênito. Em um discurso na conferência geral da Páscoa, em 3 de abril de 1999, o Élder Holland começou:

“Gostaria de agradecer não somente ao Senhor Jesus Cristo Ressurreto, mas também a Seu verdadeiro Pai, que é nosso Pai espiritual e Deus que, ao aceitar o sacrifício de Seu Filho Primogênito e Perfeito naqueles momentos da expiação e redenção, abençoou todos os Seus filhos. Na Páscoa, mais do que em qualquer outra ocasião, a declaração de João, o Amado, que louva tanto ao Pai como ao Filho, reveste-se de um significado todo especial: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3:16).”

Eu sou um pai, inadequado com certeza, mas não consigo compreender o fardo que deve ter sido para Deus testemunhar o sofrimento profundo e a Crucificação de Seu Filho Amado de tal maneira. Todos os seus impulsos e instintos devem ter pulsado para impedi-Lo e enviar anjos para intervir – mas Ele não interveio. Ele suportou o que viu, porque era a única maneira pela qual um pagamento salvífico e vicário poderia ser feito pelos pecados de todos os Seus outros filhos, desde Adão e Eva até o fim do mundo. Sou eternamente grato por um Pai perfeito e Seu Filho perfeito, nenhum dos quais recuou do cálice amargo, nem abandonou o resto de nós que somos imperfeitos, que ficam aquém e tropeçam, que muitas vezes erram o alvo. (A Liahona, maio de 1999, p. 14)

Nosso Pai Celestial não podia tirar a taça amarga. Felizmente, Ele não recuou da taça amarga, assim como seu Filho não se afastou dela. Mas nosso Pai Celestial enviou ajuda necessária na forma de um anjo para ministrar a Seu Filho.

Sem dúvida, muitos se perguntaram sobre a identidade daquele anjo enviado das cortes celestiais. O Élder Bruce R. McConkie acreditava ter sido Miguel, ou Adão, o Ancião dos Dias e pai da família humana na Terra (Ensign, maio de 1985, p. 9).

Por que Miguel? Por que nosso Pai Celestial o escolheria, ou por que ele teria permissão para realizar uma tarefa tão nobre? Escolhendo Miguel faz todo o sentido. Além dos pecados de toda a humanidade, por cuja transgressão única e separada, Jesus estava pagando a dívida para com a justiça.

nomes

O apóstolo Paulo ensinou:

“Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também em Cristo todos serão vivificados.” (1 Coríntios 15: 21-22).

Isto é, a obra expiatória do Salvador no Getsêmani está diretamente ligada à transgressão de Adão, que provocou a queda do homem. A Criação, a Queda e a Expiação estão inextricavelmente ligadas como os três pilares da eternidade, os três eventos centrais sobre os quais repousa o plano do Pai. Quem melhor do que Adão para ajudar e auxiliar o Salvador durante seu período de extrema angústia do que aqueles cujas ações provocaram a mortalidade? Quem melhor para agradecer ao Salvador por ter pago a dívida que suas ações haviam introduzido (pecado, sofrimento e os outros efeitos miríade da Queda) do que o próprio Adão? Quem melhor para fortalecer o Grande Criador do que aquele que, como um dos deuses, ajudou o Salvador a lançar as fundações do próprio planeta onde o próprio Salvador, assim como todos os filhos de Adão, algum dia residiriam? Quem melhor para ministrar ao Jesus mortal do que um de seus próprios antepassados ​​mortais, pois Adão era de fato um antepassado da mãe do Salvador, Maria.

Todas essas razões e outras nos ajudam a entender porque o Pai poderia ter mandado o poderoso Miguel para ocupar seu próprio lugar e ministrar a seu Filho Unigênito. Ele não podia remover a taça amarga de seu Filho porque essa era a razão pela qual seu Filho havia sido enviado ao mundo – para redimir toda a família de Deus (João 18:37). Nem o próprio Pai pode vir em auxílio de seu Filho, pois isso não teria dado ao Filho a completa vitória que ele precisava ter sobre o pecado, a tristeza, o sofrimento, o inferno e os efeitos da Queda. O Pai é vida pura, glorificada e inadulterada, e no Getsêmani o Salvador teve que experimentar todas as coisas, até mesmo descer abaixo de todas as coisas, para satisfazer as exigências da justiça. As coisas que Ele tinha que experimentar incluíam a morte espiritual, a retirada do Pai e a remoção de sua influência imediata (cuja experiência mais tarde retornou ao Salvador quando ele estava pendurado na cruz) – na verdade, a atmosfera do próprio inferno.

No Getsêmani, Jesus foi deixado sozinho pelo Pai. Ele foi engolido pela escuridão, pela morte espiritual e pela agonia do inferno. Ele desceu abaixo do nível de qualquer coisa já experimentada por qualquer homem ou mulher.

O Pai não pode ajudar seu Filho diretamente, mas enviou um anjo para fortalecê-lo. A família humana foi salva por um dos seus, e o Salvador foi fortalecido por um dos seus – o bisavô Adão.

O post Quem foi o anjo enviado para confortar Jesus no Getsêmani? apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *