As proclamações da Igreja de Jesus Cristo: o que são, de onde vieram e como evoluíram

Desde o início, os líderes d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias mantiveram contato frequente com os membros da Igreja por meio de várias formas de comunicação.

Quando a Igreja foi formalmente organizada em abril de 1830, já havia pequenos grupos de fiéis em outras partes de Nova York, incluindo Fayette, Manchester e Colesville. Os negócios e as instrução aconteciam por meio de conferências e pequenas reuniões.

À medida que o número de congregações aumentava, vários documentos eram enviados para os Santos que se encontravam mais distantes por cartas, revelações, declarações, anúncios, epístolas, manifestos, memoriais, pronunciamentos e proclamações.

Muitas dessas instruções foram publicadas e divulgadas por meio de jornais e periódicos da Igreja.

No início da década de 1830, mais de 1200 quilômetros separavam os dois pontos de coligação designados pelo Senhor – Kirtland, em Ohio, e o Condado de Jackson, no Missouri. A distância física exigia correspondência constante entre os líderes em Ohio e no Missouri.

Mesmo depois que os Santos se mudaram para o oeste afim de se estabelecerem nas montanhas rochosas, as cartas, os jornais e os periódicos publicados pela Igreja permaneceram como o principal meio de comunicação com os membros da Igreja em todo o mundo, até o advento das comunicações eletrônicas no final do século XX.

Com a expansão da colonização no Vale Salgado e o estabelecimento de ramos da Igreja em todo o mundo, a necessidade de comunicação entre a sede e os ramos distantes aumentou.

Os presidentes de missão e outras pessoas confiavam em circulares, correspondência pessoal e periódicos para se manterem atualizados sobre os novos anúncios, diretrizes e revelações.

Embora algumas dessas comunicações fossem direcionadas a líderes eclesiásticos, outras mantinham os membros em geral informados e estabeleciam uma conexão entre a sede e os ramos.

As mensagens da Primeira Presidência eram publicadas em livros e edições de revistas da Igreja. Além disso, algumas mensagens eram republicadas em manuais gerais ao longo dos anos e, mais recentemente, postadas no site da Igreja ou enviadas por e-mail.

Essas comunicações e mensagens variam em seu grau de importância, sendo diferenciadas entre grandes ajustes de políticas e orientações sobre despesas de missão.

Algumas foram canonizadas como escrituras, enquanto outras foram substituídas diversas vezes por novas instruções.

Nos últimos anos, os documentos com o título de “proclamação” têm recebido muita atenção e visibilidade. Desde 1980, três proclamações foram apresentadas na conferência geral.

A proeminência desses documentos às vezes promove um agrupamento simplificado de proclamações com valor acima de outras comunicações.

Embora seja tentador ligar retroativamente as proclamações anteriores e recentes, os observadores modernos devem ter cuidado para não aumentar a importância dos títulos ou marginalizar outras comunicações importantes dos líderes da Igreja.

Um breve estudo das circunstâncias e do contexto em torno das primeiras proclamações, ilustra as diferenças de propósito e como elas se relacionam com outras mensagens não classificadas como proclamações.

Um estudo mais atento das recentes proclamações revela um propósito muito diferente do que as do século XIX.

As proclamações do século XIX

Em janeiro de 1841, a Primeira Presidência – Joseph Smith, Sidney Rigdon e Hyrum Smith – escreveu o que parece ser o primeiro documento identificado como uma proclamação, em Nauvoo, Illinois.

O documento foi publicado no jornal da Igreja, o Times and Seasons, e direcionado aos “Santos espalhados no exterior” para fornecer um relatório de progresso sobre as condições em Nauvoo e exortar os convertidos a emigrar para sua nova cidade nas margens do Mississippi.

Depois de reportar que a legislatura do estado de Illinois havia recentemente aprovado um regulamento criando a cidade de Nauvoo, a Primeira Presidência convocou “todos os que [pudessem] ajudar no estabelecimento deste lugar, [a fazer] todos os preparativos para virem sem demora” para “fortalecer [as] mãos e ajudar na promoção da felicidade dos Santos”.

O documento também discutia a urgência de terminar o Templo de Nauvoo por meio dos “grandes esforços” dos Santos.

Aqueles que estavam dispostos a sacrificar suas casas e reunir-se em Nauvoo, receberam a promessa de que seriam recebidos como amigos e abençoados por se unirem com seus companheiros na obra do Senhor.

Essa proclamação foi emitida durante um capítulo importante na história da Igreja. Dois membros dos Doze Apóstolos pregaram o evangelho pela primeira vez nas Ilhas Britânicas em 1837.

Joseph Smith enviou o Quórum dos Doze Apóstolos às Ilhas Britânicas de 1839 a 1841 em resposta a uma revelação do Senhor (apenas nove dos Doze aceitaram o chamado).

Quando a Primeira Presidência publicou a proclamação de 1841, os membros dos Doze estavam quase terminando suas missões, o que trouxe mais de 6 mil conversos para a Igreja.

Muitos desses conversos atenderam ao chamado de se reunir em Nauvoo, ajudaram a construir o templo e seguiram os Doze para o oeste, para colonizar Utah.

Nove meses após os assassinatos de Joseph e Hyrum Smith em Carthage, uma outra proclamação foi publicada em abril de 1845.

De autoria do Quórum dos Doze Apóstolos (que serviu como o corpo presidente da Igreja após a morte de Joseph até dezembro de 1847), a proclamação foi emitida em cumprimento parcial de uma revelação de janeiro de 1841 onde o Senhor orientou Joseph Smith a “fazer uma proclamação solene de meu evangelho” para “todas as nações espalhadas pela face da Terra.” (D&C 124:2-3).

Publicado como um panfleto de 16 páginas, o documento corajosamente declarava a “todos os reis do mundo, ao presidente dos Estados Unidos da América… e aos governantes e povos de todas as nações” que o reino de Deus foi restaurado na terra pela “autoridade do alto”.

O documento também exortava todos a se arrependerem, aceitarem o evangelho restaurado e se prepararem para a Segunda Vinda.

Os líderes governamentais foram incentivados a dedicar todos os recursos disponíveis para a construção do Reino de Deus. Os Doze encerraram a proclamação com breves testemunhos de vários princípios do evangelho.

Cinco meses depois, Brigham Young e um comitê de cidadãos de Nauvoo, incluindo vários membros dos Doze, publicaram uma proclamação dirigida a Levi Williams e outros culpados de “incendiar as casas e propriedades” dos Santos no condado de Hancock, Illinois.

No outono de 1845, a perseguição em Nauvoo e arredores se intensificou, à medida que os inimigos recorreriam a incêndios criminosos e à violência de turba para forçar a saída os Santos da região.

Na proclamação, os líderes da Igreja prometeram deixar a região “na próxima primavera” se seus agressores “cessassem todas as operações hostis” para dar-lhes o “tempo necessário [para se prepararem] para [sua] jornada”.

O assédio contínuo acelerou a partida das primeiras companhias, que deixaram Nauvoo em fevereiro de 1846.

Curiosamente, William Clayton se referiu a essa proclamação como uma carta, sugerindo que as categorias de comunicações durante esse tempo eram intercambiáveis.

Brigham Young emitiu várias proclamações como governador do Território de Utah na década de 1850.

A mais conhecida foi uma proclamação que declarava a lei marcial no território em 1857, quando o Exército dos EUA abordou Utah para acabar com uma rebelião.

Outras proclamações adicionais foram publicadas por líderes da Igreja, enquanto viajavam para o exterior em designações. Por exemplo, enquanto supervisionava a atividade missionária no Pacífico, o Élder Parley P. Pratt enviou proclamações para as pessoas nas costas e ilhas do Oceano Pacífico, bem como para cidadãos de nações latino-americanas.

Estes se tornaram importantes tratados missionários, enquanto mais de 100 élderes eram chamados para levar o evangelho aos quatro cantos da Terra – incluindo a Austrália e o Havaí – na conferência geral de 1852.

A primeira proclamação endossada tanto pela Primeira Presidência quanto pelo Quórum dos Doze Apóstolos foi a proclamação de 1865, e é uma exceção notável quando comparada a outras proclamações.

Ela possuía dois objetivos: Primeiro, anular cópias da história de Lucy Mack Smith anteriormente publicadas pelo Élder Orson Pratt e segundo, repreender publicamente o Élder Pratt por seus ensinamentos questionáveis e especulações relacionadas à natureza de Deus.

A proclamação foi colocada nas principais publicações da Igreja, o Deseret News e o Millennial Star. As teorias de Pratt foram publicadas “para o mundo como fatos e doutrinas” sem a autorização da Primeira Presidência e dos Doze.

A mensagem central na proclamação era que “nenhum membro da Igreja tem o direito de publicar quaisquer doutrinas, como doutrinas da Igreja”, pois “há apenas um homem na Terra, ao mesmo tempo, que possui as chaves para receber mandamentos e revelações para a Igreja”.

As subsequentes censuras dos líderes da Igreja não foram anunciadas por proclamações. As discussões com esses indivíduos aconteciam em reuniões privadas e resultavam na emissão de desculpas públicas por parte dos mesmos.

Por exemplo, dois anos após o episódio do Élder Pratt, o Élder Amasa M. Lyman, membro dos Doze, publicou um pedido de desculpas aos Santos dos Últimos Dias por seus falsos ensinamentos relacionados à Expiação de Jesus Cristo.

Mais recentemente, em 1991, uma autoridade geral emérita falecida, o Élder Paul H. Dunn escreveu uma carta aos membros da Igreja que foi publicada no Church News, onde ele pedia perdão por embelezar histórias em seus discursos públicos e escritos.

As recentes proclamações1980–2020

O uso do termo “proclamação” foi reavivado pelos líderes da Igreja em 1980 para comemorar 150 anos desde a organização formal da Igreja em 6 de abril de 1830.

As Primeiras Presidências anteriores prepararam mensagens de comemoração em 1930 e em 1947, para marcar o centenário da Igreja e a chegada das primeiras empresas pioneiras a Utah.

O conteúdo da mensagem de 1930 era semelhante às proclamações de 1980 e 2020, com a Primeira Presidência centralizando sua mensagem nos eventos que precederam a Restauração, a Primeira Visão, a restauração do sacerdócio e a organização da Igreja.

No entanto, a conferência geral de abril de 1980 foi diferente de qualquer outra. Para comemorar o 150º aniversário da organização da Igreja, as sessões da conferência aconteceram em dois locais, na Praça do Templo, em Utah e em Fayette, no estado de Nova York.

A transmissão ao vivo em locais com cerca de 3 mil quilômetros de distância representava desafios logísticos e tecnológicos.

Em antecipação ao marco, a Igreja construiu dois edifícios na fazenda Peter Whitmer em Fayette: uma cabana de toras que representa a casa de Whitmer, onde ocorreu a reunião de organização em 6 de abril de 1830 e uma capela com um centro de visitantes.

Foram feitos planos para dedicar as estruturas e apresentar uma proclamação na conferência geral. Depois da sessão da manhã de sábado da conferência, o Presidente Spencer W. Kimball e a irmã Camilla Kimball, junto com o Élder Gordon B. Hinckley e a irmã Marjorie Pay Hinckley, embarcaram em um avião e voaram para Nova York.

A sessão de conferência da manhã de domingo começou no Tabernáculo e depois mudou para a cabana de Whitmer, onde o Presidente Kimball falou brevemente e convidou o Élder Hinckley a ler uma proclamação em comemoração a organização da Igreja naquele mesmo dia há 150 anos.

A proclamação foi preparada pela Primeira Presidência e pelo Quórum dos Doze Apóstolos e se tornou a primeira desse tipo a ser apresentada em uma conferência geral.

A proclamação afirma que “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é de fato uma restauração da Igreja estabelecida pelo Filho de Deus”, construída sobre um alicerce de profetas e apóstolos com Jesus Cristo como a pedra angular.

Além disso, declara a veracidade do Livro de Mórmon, das doutrinas restauradas e das ordenanças do templo.

Na década de 1990, os líderes da Igreja novamente se sentiram inspirados a criar uma proclamação, desta vez sobre a família e seu papel central no plano de Deus.

O Élder Dallin H. Oaks relembrou que os “assuntos foram identificados e discutidos por membros do Quórum dos Doze Apóstolos por quase um ano… Rogamos continuamente ao Senhor em espírito de oração por Sua inspiração a respeito do que deveríamos dizer e de como dizê-lo”.

Um comitê composto por três membros dos Doze – os Élderes James E. Faust, Neal A. Maxwell e Russel M. Nelson – foi designado para redigir o texto, que por fim foi apresentado à Primeira Presidência para revisão.

O texto foi aprovado pouco antes da morte do Presidente Howard W. Hunter, mas como profeta recém-designado, o Presidente Hinckley decidiu não divulgá-lo à Igreja na conferência geral de abril de 1995.

Em vez disso, ele apresentou “A Família: Proclamação ao Mundo” seis meses depois, durante seu discurso na sessão geral da conferência da Sociedade de Socorro.

Os membros da Igreja na época não ficaram surpresos com os ensinamentos apresentados na proclamação.

Anos depois, no entanto, a irmã Bonnie L. Oscarson observou: “Na época, não nos demos conta de como precisaríamos desesperadamente, no mundo de hoje, dessas declarações básicas como critério para julgarmos cada nova corrente de dogmas mundanos”.

Ela acrescentou que “a proclamação da família tornou-se nossa referência para julgar as filosofias do mundo”.

Após sua apresentação, cópias emolduradas da proclamação sobre a família logo adornaram as paredes de muitas casas e capelas dos Santos dos Últimos Dias.

Esse lembrete visível consolidou o termo “proclamação” no vernáculo dos Santos. Porém, as declarações doutrinárias feitas pela Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos já tinham precedentes.

Declarações doutrinárias anteriores feitas pelos líderes da Igreja incluem as Regras de Fé, bem como uma explicação detalhada da Trindade, publicada pela Primeira Presidência e pelo Quórum dos Doze Apóstolos em 1916 para esclarecer os papéis e títulos do Pai e do Filho.

O ano de 2020 tem sido memorável, pois a Igreja celebra o aniversário de 200 anos da aparição de Deus o Pai e Seu Filho Jesus Cristo a Joseph Smith, o que é conhecido como a Primeira Visão.

Semelhante à proclamação de 1980, uma proclamação bicentenária foi apresentada aos membros da Igreja durante a sessão da manhã de domingo da conferência geral de abril de 2020, pelo Presidente Russell M. Nelson.

Desta vez, em vez de transmitir ao vivo de um local histórico durante a conferência geral, o Presidente Nelson gravou a leitura da proclamação no Bosque Sagrado.

O segmento foi reproduzido durante seu discurso na conferência e conectou poderosamente os espectadores ao espaço sagrado, enquanto observavam o Presidente Nelson perto do local onde ocorreu a Primeira Visão.

Não julgue um documento apenas pelo título

Além dos exemplos de mensagens semelhantes a proclamações discutidos anteriormente, existem vários outros documentos que apresentam as características de proclamações.

Duas mensagens ao mundo foram compartilhadas na primeira metade do século XX. No início do século, o Presidente Lorenzo Snow fez uma “Saudação ao Mundo”, refletindo sobre as realizações do século passado e esperando que “grandes eventos [ocorressem] no século XX”, que seria “o mais grandioso de todos séculos”.

Em 1935, a Primeira Presidência divulgou um “testemunho ao mundo” que falou sobre o enceramento de um século da “verdadeira Igreja de Deus”.

Esses documentos enfatizaram grandes verdades que devem ser aceitas por toda a humanidade: a Expiação de Jesus Cristo e a restauração do santo sacerdócio e do evangelho.

Poucos comunicados de líderes da Igreja, tiveram mais impacto do que duas declarações (não proclamações) agora incluídas em Doutrina e Convênios.

A Declaração Oficial 1 é um manifesto recebido por revelação pelo Presidente Wilford Woodruff em 1890, que levou ao fim da prática do casamento plural na Igreja.

A Declaração Oficial 2 é uma revelação de 1978 dada ao Presidente Spencer W. Kimball, que estendia o sacerdócio a todos os homens dignos, independentemente de sua raça. Isto abriu as portas para o evangelho ampliar o seu alcance a todas as nações, famílias, línguas e povos.

Em janeiro de 2000, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze publicaram “O Cristo Vivo: O Testemunho dos Apóstolos” para comemorar o nascimento do Salvador Jesus Cristo.

Embora não seja chamada de proclamação, ela se assemelha muito à proclamação sobre a família, tanto na aparência quanto no propósito, e cópias emolduradas de “O Cristo Vivo” também decoram muitas casas de Santos dos Últimos Dias em todo o mundo.

Na época em que “O Cristo Vivo” foi publicado, o Élder Russell M. Nelson explicou que era um pronunciamento feito pelos Apóstolos e declarou o desejo deles ao dizer que queriam “deixar algo que entrasse no coração das pessoas e durasse, até mesmo além da vida daqueles que testificam”.

Com o passar dos anos, o significado e o propósito das proclamações evoluíram. Hoje, para os Santos dos Últimos Dias, elas representam declarações de autoridade da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze, para reconhecer comemorações significativas ou declarar doutrinas.

Contudo, a verdadeira importância das recentes proclamações não está no termo “proclamação”, mas na autoria compartilhada e na unanimidade de todos os 15 profetas, videntes e reveladores.

É importante ter em mente que centenas, senão milhares de comunicados desempenharam importantes papéis na formação de uma conexão entre os líderes da Igreja, para manter a uniformidade administrativa e declarar a vontade de Deus aos Santos.

Provavelmente haverá outras proclamações no futuro, conforme determinado pela Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos.

Cada uma deve ser vista dentro de seu contexto e apreciada como um complemento à cornucópia de mensagens destinadas a edificar os Santos e confirmar a restauração contínua e a natureza reveladora da Igreja do Senhor.

Fonte: LDS Living

The post As proclamações da Igreja de Jesus Cristo: o que são, de onde vieram e como evoluíram appeared first on maisfe.org.

O post As proclamações da Igreja de Jesus Cristo: o que são, de onde vieram e como evoluíram apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *