Como foi primeiro encontro do Presidente Oaks com sua esposa

Este artigo foi adaptado do livro In the Hands of the Lord: The Life of Dallin H. Oaks (Nas mãos do Senhor: A Vida de Dallin H. Oaks), escrito por Richard E. Turley Jr.

O que preparou o Presidente Dallin H. Oaks para o casar-se novamente foi quando suas quatro filhas foram individualmente até ele “e disseram que estavam prontas para eu casar novamente”, ele escreveu.

Sua esposa June as havia preparado para aquele momento. “Durante sua batalha de um ano contra o câncer”, lembrou ele, “ela percebeu que morreria antes de mim”.

Naquela época, “ela frequentemente dizia às nossas quatro filhas que sabia que eu precisaria me casar novamente e que, quando esse momento chegasse, elas deveriam me ajudar a encontrar uma companheira que se encaixasse bem em nossa família e a fizessem bem-vinda”.

Quase dois anos após a morte de June, ele conta que sentiu “forte pressão de [suas] filhas, confirmada por [seu] próprio sentimento, de que era hora de procurar uma companheira”.

“Fui em busca de uma esposa”, escreveu ele com determinação em seu diário em 6 de julho de 2000, quase dois anos após a morte de June.

Ele pegou o telefone e ligou para três Autoridades Gerais e pediu que “prestassem atenção às mulheres justas e qualificadas que eu pudesse levar em consideração”.

Uma dessas Autoridades Gerais, o então Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze, “imediatamente sugeriu Kristen M. McMain”.

Kristen McMain era uma conselheira educacional de 52 anos de uma grande editora de livros. Ela morava em Salt Lake City, mas viajava por todo o mundo devido os seus compromissos profissionais.

Ela tinha dois diplomas da University of Utah (bacharelado em inglês e mestrado em educação especial) e um doutorado na BYU (em currículo e instrução).

Ela serviu missão no Japão e nunca se casou. Como o então Élder Oaks descobriria mais tarde, ela era uma professora profissional talentosa e uma santa dos últimos dias fiel.

Embora ela passasse um bom tempo com sua família em Utah e gostasse de seu chamado na Igreja como professora de Doutrina do Evangelho, ela ainda sentia uma falta de equilíbrio em sua vida.

“A maior parte da minha vida, energia e tempo eram para o meu emprego”, ela percebeu. “Preocupada e me sentindo incapaz de mudar minha vida, pedi uma bênção ao meu bispo”.

O conselho inesperado de seu bispo a surpreendeu. “Se você não largar seu emprego”, ele declarou na bênção, “você terá suas bênçãos na eternidade, mas não nesta vida”.

“Quando ouvi suas palavras”, ela escreveu, “senti que eram verdadeiras. Eu tinha que parar de viajar e encontrar emprego perto de casa. Para uma irmã solteira, abrir mão da segurança financeira não é uma coisa fácil. Eu não tinha um novo emprego para onde ir. Eu tive que confiar para renunciar ao meu emprego”.

Nos meses seguintes, ela escreveu cartas e mais cartas de demissão, apenas para jogá-las no lixo. “Finalmente”, disse ela, “escrevi uma carta suficientemente clara para que ninguém duvidasse de minha intenção. Entreguei a carta e parei em 1º de julho de 2000”.

Membros da família, amigos e pessoas da igreja questionaram seu julgamento, mas ela teve fé para fazer o que sentia ser o certo.

Quando suas tias idosas souberam que ela logo ficaria desempregada, marcaram um encontro para ela ver seu sobrinho, o Élder M. Russell Ballard, porque ele conhecia pessoas no Deseret Book e em outras editoras. Elas pensaram que ele poderia ajudar a sobrinha a encontrar um emprego perto de sua casa, em Utah.

Para Kristen, conversar com uma Autoridade Geral para tratar de suas necessidades pessoais parecia um pouco estranho.

“Minha exposição às Autoridades Gerais havia sido mínima”, escreveu ela, “e eu gostava daquela maneira. Eu tinha muito respeito por eles. Eu os reverenciava, mas também compreendia a linha de jurisdição do sacerdócio e tinha certeza de que meus mestres familiares e meu bispo eram suficientes para abençoar minha vida”.

Mesmo assim, ela foi ao encontro do Élder Ballard. Isso foi pouco antes do Élder Oaks conversar com o seu colega apóstolo para buscar orientação sobre como encontrar uma nova esposa.

O Élder Ballard “providenciou para que eu a encontrasse em sua caminhada na sexta-feira em Liberty Park”, observou o Élder Oaks.

Ele queria estar vestido de acordo com a ocasião de 7 de julho, e sua filha Sharmon, que por acaso estava na cidade, e seu marido, Jack, “imediatamente me levaram para comprar roupas”, escreveu ele em seu diário.

O Élder Oaks ligou para confirmar seu encontro com Kristen, um telefonema que a fez enfrentar “algumas circunstâncias assustadoras”, disse ela mais tarde.

“Ele queria trazer… Sharmon para me conhecer antes fosse embora no dia seguinte. Eu não disse a ele que tinha acabado de fazer um permanente e precisava cobrir minha cabeça. Decidimos fazer uma caminhada no Liberty Park ”, um local popular para caminhadas em Salt Lake.

“Quando conheci meu futuro marido e sua filha, eu estava usando Levi’s e um boné de beisebol (para esconder meus cachos) para nossa caminhada” – não exatamente o que ela teria escolhido para um primeiro encontro com um membro dos Doze.

Quando Kristen viu o Élder Oaks com Sharmon, suas primeiras palavras para ele foram: “Você sempre sai para dois encontros assim?”

“Olhando para trás”, relembrou Kristen, “eu nunca teria planejado encontrar um Apóstolo do Senhor e sua filha vestida tão casualmente. Mas aquele boné de beisebol me permitiu ser eu mesma”.

Ao sentir confortável, ela foi capaz de aproveitar aquele momento juntos. “Nosso primeiro encontro e a conversa que se seguiu”, escreveu ela, “pareciam ser de três amigos de longa data. O Élder Oaks me disse que costumava passear com sua esposa, June, que morrera dois anos antes. Pedi que ele me falasse sobre ela. Desde o início nos sentimos calmos e relaxados um com o outro. Sharmon conversou muito sobre sua família e sua mãe. Rimos e conversamos, e nosso namoro começou”.

O Élder Oaks registrou em seu diário a reação positiva que sentiu naquele primeiro encontro. “Sharmon e eu conhecemos e caminhamos com Kristen McMain, que provou ser atraente, inteligente, fiel e divertida”, ele escreveu.

“Fiquei intrigado e Sharmon ficou impressionada”. No dia seguinte, o Élder Oaks passou quatro horas caminhando e tendo uma “profunda visita a Kristen”, ele registrou em seu diário. “Fiz muitas perguntas profundas e, a partir de suas respostas e perguntas para mim, continuo intrigado”.

Fonte: LDS Living

O post Como foi primeiro encontro do Presidente Oaks com sua esposa apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *