O Monte Cumora fica mesmo em Nova Iorque?

A extinção dos nefitas ocorreu por volta de 385 d.C. na “terra de Cumora, nas proximidades de um monte chamado Cumora” (Mórmon 6:2, 5). Esta mesma colina era conhecida séculos antes pelos jareditas como Ramá (Éter 15:11).

Sabendo que ele e seu povo viviam em uma destruição iminente, Mórmon fez “este relato, extraído das placas de Néfi; e ocultei no monte Cumora todos os registros que me tinham sido confiados pela mão do Senhor, excetuando-se estas poucas placas que dei a meu filho Morôni” (Mórmon 6:6).

Ou seja, Mórmon depositou o que restava das fontes textuais nefitas no Monte Cumora para preservação e confiou as placas, do que mais tarde se tornaria o Livro de Mórmon (o registro obtido por Joseph Smith no século XIX), a seu filho Morôni, que terminou de escrever e mais tarde selou o registro.

Não se sabe muito sobre a terra e o monte Cumora. Os únicos autores do Livro de Mórmon que falam sobre a sua localização foram Mórmon e Morôni. Com base numa declaração dada por Mórmon, a terra de Cumora era “uma terra de muitas águas, rios e fontes” (Mórmon 6:4).

Outras pistas geográficas dadas no Livro de Mórmon parecem situar Cumora ao norte do estreito de terra e perto de um litoral no lado oriental (ver Mórmon 2: 3, 20, 29; Éter 9: 3). A colina em si era suficientemente alta para poder ser utilizada como uma posição defensiva estratégica, bem como um ponto de observação para a vigilância das zonas rurais circundantes (Mórmon 6:2, 7, 11).

Mórmon e Morôni na batalha final do monte Cumora

“HillCumora Battle is About to Commence”, por Samuel McKim. Imagem via history.lds.org.

Não há “nenhuma evidência histórica de que Morôni tenha chamado a colina de ‘Cumora’ em 1823” durante seu primeiro encontro com o Profeta Joseph Smith. O nome de Cumora, se tornou “comum [entre os Santos dos Últimos Dias] não antes de meados da década de 1830.”

O primeiro registro de alguém que identificou a colina em Manchester, Nova Iorque, onde Joseph Smith recebeu as placas, como o monte Cumora, parece ter sido William W. Phelps em 1833. A identificação de Phelps foi mais tarde seguida por Oliver Cowdery em 1835. Provavelmente devido à popularidade e influência dos escritos desses dois líderes, a identificação do monte em Nova Iorque como o mesmo monte Cumora mencionado por Mórmon, no Livro de Mórmon, se tornou comum entre os primeiros Santos dos Últimos Dias.

Até onde pode ser determinado, o próprio profeta Joseph Smith só associou a colina em Nova Iorque com o monte Cumora do Livro de Mórmon no final de sua vida. Em uma epístola de 1842, o profeta falou que ouviu “Alegres novas de Cumora! Morôni, um anjo do céu, anunciando o cumprimento dos profetas — o livro a ser revelado” (Doutrina e Convênios 128:20).

Antes disso, Joseph deixou o nome da colina em Nova Iorque, onde Morôni lhe deu as placas, sem nome em seus relatos sobre o surgimento do Livro de Mórmon. Se o profeta chegou a esta conclusão sobre a localização de Cumora por revelação, ou por que o uso do termo se tornou comum entre os primeiros membros da Igreja sobre a geografia do Livro de Mórmon, ou por causa de alguma outra coisa, é algo historicamente desconhecido.

Nas décadas após a morte de Joseph Smith, outros proeminentes Santos dos Últimos Dias, incluindo Lucy Mack Smith, Parley P. Pratt e David Whitmer, recontaram incidentes anteriores em que a colina de Nova Iorque foi identificada como Cumora pelo anjo Morôni e por Joseph Smith. Uma vez que estas declarações são um tanto tardias, que chegaram depois que a identificação de Cumora como uma colina perto de Palmyra, Nova Iorque, tornou-se generalizada, elas devem ser usadas com cuidado.

Da mesma forma, fontes secundárias e terciárias, que apareceram depois da morte de Joseph Smith, falam de uma caverna escondida dentro da colina em Nova Iorque, que supostamente contém uma abundância de registros nefitas (presumivelmente o local que Mórmon descreveu em Mormon 6:6).

Como descrito por estas fontes, Joseph e Oliver entraram na caverna e contemplaram este repositório após terminar a tradução do Livro de Mórmon. No entanto, essas fontes são baseadas em boatos, e são um pouco ambíguas quanto a saber se a suposta experiência de Joseph e Oliver foi literal ou eles foram levados para lá em uma visão. Tal como acontece com outras reminiscências tardias ou secundárias que descrevem qualquer colina como Cumora, estes relatos também devem ser encarados com cuidado.

A identificação do Monte Cumora em Nova Iorque como sendo a mesma colina onde os nefitas pereceram permaneceu comum entre os membros e líderes de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. No entanto, a maioria dos líderes da Igreja tem dito de forma simples e precisa que a geografia do Livro de Mórmon não foi revelada. Além disso, vários estudiosos dos Santos dos Últimos Dias questionaram se a colina de Nova Iorque poderia ser a colina Cumora descrita no Livro de Mórmon.

Devido a inconsistências entre a localização da colina descrita no Livro de Mórmon e a verdadeira topografia do oeste de Nova Iorque, bem como a falta de qualquer evidência arqueológica para a violenta destruição em massa de centenas de milhares de pessoas em um local por causa da guerra (ver Mórmon 6: 10-15), alguns sugeriram que a localização da batalha final ocorreu em algum lugar diferente da colina em Nova Iorque, como no atual México, no noroeste do istmo de Tehuantepec.

Pelo fato de Morôni ter fugido para sobreviver, se afastado da área da batalha final e ter ido para qualquer lugar para encontrar “segurança da [sua] própria alma” (Morôni 1:1-3), e também porque ele não enterrou as placas até 421 a.C.(Morôni 10:1), que foram 36 anos após a batalha final na colina nefita (Mórmon 6:5), é de se esperar que milhares de quilômetros afastam o local dessa batalha e o repositório final das placas.

“Aqueles que assumem que o final dos eventos do Livro de Mórmon ocorreu, no que é hoje o nordeste dos Estados Unidos, acreditam que a colina no norte do estado de Nova Iorque é a única colina chamada Cumora”, escreveu um historiador resumindo a questão.

Outros concluem que deve haver duas colinas chamadas Cumora: uma na América Central, onde acreditam que as batalhas finais do Livro de Mórmon ocorreram; e a outra em Nova Iorque, onde Morôni finalmente enterrou as placas de ouro, que mais tarde foram entregues a Joseph Smith.” A própria Igreja não tem uma posição oficial sobre este assunto, deixando que os Santos dos Últimos Dias decidam por si mesmos qual teoria preferem seguir.

A localização de onde Joseph Smith obteve as placas de ouro que ele traduziu pelo dom e poder de Deus é bem conhecida. Se este era o mesmo local que aconteceu a destruição dos nefitas, é algo que permanece aberto à discussão.

O Élder John A. Widtsoe, do Quórum dos Doze Apóstolos, reconheceu isso quando ele escreveu em 1950 que “a colina a partir da qual as placas do Livro de Mórmon foram obtidas é definitivamente conhecida. Nos dias do Profeta este monte era conhecido entre o povo como Cumora. Este é um ponto fixo na história posterior do Livro de Mórmon. Há uma controvérsia, no entanto, sobre o Monte Cumora – não sobre o local onde as placas do Livro de Mórmon foram encontradas, mas se é o mesmo monte próximo ao local onde os eventos nefitas ocorreram.” O Élder Widstoe explicou ainda que, “Pelo o que sabemos, Joseph Smith, tradutor do livro, não disse onde, no continente americano, as atividades do Livro de Mórmon ocorreram.”

Muito mais importante do que saber precisamente a localização do monte Cumora do Livro de Mórmon é saber o que aconteceu em uma “colina de considerável tamanho”, perto da cidade de Manchester, Nova Iorque nas primeiras horas da manhã de 22 de setembro de 1827 (Joseph Smith-História 1:51-59). O Presidente Thomas S. Monson testificou sobre “os eventos importantes que se desenrolaram” naquela ocasião:

“Um profeta que levava sua vida no campo pegou um cavalo e uma carroça e, na escuridão da noite, cavalgou até esta colina, onde recebeu um antigo registro do anjo Morôni. Em um tempo notavelmente curto, este jovem que mal conseguia escrever, traduziu um registro detalhando mil anos de história e, em seguida, preparou o Livro de Mórmon para a distribuição pública.

Os visitantes muitas vezes vêm [à colina Cumora] com uma atitude de curiosidade. Eles partem com sua alma tocada pelo Espírito do Senhor. Presto um testemunho apostólico de que Jesus é o Salvador do mundo e que Ele e Seu Pai apareceram ao Profeta Joseph Smith para inaugurar esta dispensação da plenitude dos tempos.”

Uma vez que o Livro de Mórmon se apresenta como um texto histórico, é apropriado perguntar e permanecer aberto a perguntas sobre seu antigo cenário geográfico e histórico. “A partir de um estudo diligente e de oração, podemos ser levados a uma melhor compreensão dos tempos e lugares na história das pessoas que se movem através das páginas do Livro de Mórmon, que nos foi divinamente presenteado”, disse Élder Widtsoe.

Mesmo que essas questões podem aparecer a qualquer indivíduo, todos os leitores do Livro de Mórmon devem se concentrar em seu testemunho de Jesus Cristo e nas verdades eternas que ensina, que é indiscutivelmente o seu propósito principal.

Fonte: Book of Mormon Central

The post O Monte Cumora fica mesmo em Nova Iorque? appeared first on maisfe.org.

O post O Monte Cumora fica mesmo em Nova Iorque? apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *