Quando a palavra de sabedoria se tornou um mandamento?

Pergunta

No texto sobre a Palavra de Sabedoria em Doutrina e Convênios 89:2 diz que ela é “não como mandamento ou coerção”.

O que me diz que embora seja uma boa ideia seguir a Palavra de Sabedoria, o Senhor não a exige. Afinal, ele nunca mostrou resistência a dar mandamentos no passado.

Então, por que agora a Igreja exige que se siga algo que o Senhor declarou especificamente que não era um mandamento?

Resposta

Muitas vezes os membros da Igreja do Senhor são separados por padrões tanto do que se espera que sigam para o seu aperfeiçoamento quanto para destacar sua fidelidade.

Há uma diferença entre padrões como estes e “mandamentos”. Mandamentos são aquelas coisas que o Senhor requer de todo o Seu povo – mesmo aqueles que não são da Igreja. Eles são simples, diretos e facilmente identificados como tal.

No entanto, o Senhor disse que não é “conveniente” para ele nos mandar em todas as coisas.

Ele quer que reconheçamos e sigamos o bom conselho que ele nos dá através da boca de seus servos, os profetas.

Aqueles que desejam ser batizados e tornarem-se membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias devem estar dispostos a ouvir e obedecer aos profetas.

Isso inclui coisas como a lei da castidade, pagar o dízimo e viver a Palavra de Sabedoria, embora estas coisas não sejam mandamentos.

Cumpri-las nos distingue como fiéis e resultará em uma abundância de bênçãos temporais e espirituais.

Ao reconhecer os benefícios de seguir este conselho, Brigham Young pediu aos santos que se comprometessem a viver a Palavra de Sabedoria em 1851, mas isso não se tornou uma exigência para ter uma recomendação para o templo até 1921.

Este compromisso faz parte do nosso convênio com o Senhor, que faremos como Ele nos pede e em troca Ele nos abençoará. Como o próprio Senhor ensinou, “seja pela minha própria voz ou pela voz de meus servos, é o mesmo” (D&C 1:38).

Veja como a observância da Palavra de Sabedoria mudou ao longo do tempo:

1861

Brigham Young recusou-se a fazer da Palavra de Sabedoria um “teste de comunhão”. Ele declarou:

“Alguns dos irmãos são muito exigentes com a ‘Palavra de Sabedoria’ e gostariam que eu pregasse sobre ela, insistisse com os irmãos e fizesse disso um teste de comunhão”.

1867

Ezra T. Benson observa que guardar a Palavra de Sabedoria seria “agradável” para o Pai Celestial, então ele exortou os santos a viverem a lei, mas parecia perceber que nem todos os santos da época tinham essa capacidade:

“Supondo que Ele tivesse dado a Palavra de Sabedoria como uma ordem, quantos de nós estaríamos aqui? Não sei; mas Ele deu isso não como mandamento ou coerção, observando que seria agradável aos Seus olhos que Seu povo obedecesse aos seus preceitos. Não devemos tentar agradar a nosso Pai Celestial?”

1870

Brigham Young enfatiza que este era um mandamento de Deus, mas o seguinte foi deixado, até certo ponto, com o povo:

“A observância da Palavra de Sabedoria, ou interpretação dos requisitos de Deus neste assunto, deve ser deixada, parcialmente, com o povo. Não podemos fazer leis como os Medos e Persas. Não podemos dizer que você nunca deve beber uma xícara de chá, ou você nunca deve provar isso ou você nunca deve provar aquilo”.

1898

A Primeira Presidência observou que os bispos não deveriam recusar recomendações para o templo com base na Palavra de Sabedoria

Pouco antes da virada do século, em 1898, a Primeira Presidência e o Conselho dos Doze discutiram a Palavra de Sabedoria:

“O Presidente Woodruff disse que considerava a Palavra de Sabedoria em sua totalidade como dada pelo Senhor para os santos dos últimos dias observarem, mas ele não achava que os bispos deviam recusar recomendações de pessoas que não a seguissem estritamente”.

Portanto, mesmo nessa data, guardar a Palavra de Sabedoria não era um “ponto de comunhão” – você ainda poderia ter uma recomendação para o templo se não obedecesse, embora os líderes fossem claros de que era uma doutrina verdadeira do Senhor.

1902

As recomendações para o templo estavam começando a ser negadas àqueles que não seguiam a Palavra de Sabedoria

Neste ano, os líderes da Igreja estavam incentivando fortemente os membros a guardar a lei e até mesmo começando a negar as recomendações para o templo para aqueles que não o faziam. Eles foram, no entanto, ainda misericordiosos e pacientes com os membros mais velhos que não haviam nascido no sistema, e para os quais a mudança era presumivelmente muito difícil:

“[Em 1902] Joseph F. Smith exortou os presidentes de estaca e outras pessoas a recusarem recomendações [de acordo com a observância da Palavra de Sabedoria], mas a serem um tanto liberais com homens idosos que usavam tabaco e senhoras que bebiam chá. Pessoas que bebiam por hábito, porém, deveriam ter as recomendações para o templo negadas”.

1905

O Conselho dos Doze estava pregando ativamente que nenhum homem deveria ocupar uma posição de liderança se não obedecesse à Palavra de Sabedoria.

Em 5 de julho de 1906, a Primeira Presidência e o Conselho dos Doze começaram a usar água em vez de vinho para suas reuniões sacramentais.

Em 1915, o Presidente Joseph F. Smith instruiu que ninguém deveria ser ordenado ao sacerdócio ou receber uma recomendação para o templo se não cumprisse com a Palavra de Sabedoria.

Heber J. Grant tornou-se Presidente da Igreja em 1918 e continuou a política de observância da Palavra de Sabedoria; depois dessa época, a frequência ao templo ou a ordenação ao sacerdócio exigiam obediência ao princípio.

Viver em um padrão mais elevado

Os membros da Igreja tiveram oitenta e cinco anos para se adaptar e preparar-se para a implementação total dessa revelação.

Em 1933, o Manual Geral de Instruções listou a Palavra de Sabedoria como um requisito para a adoração no templo, exatamente 100 anos após o recebimento da revelação de Joseph Smith.

Joseph F. Smith concluiu que o longo período de implementação era necessário para permitir que as pessoas superassem os vícios

De acordo com Joseph F. Smith, esse longo período de paciência da parte do Senhor foi necessário para todos – desde o membro mais novo até mesmo os líderes:

“A razão, sem dúvida, pela qual a Palavra de Sabedoria foi dada – não por ‘mandamento ou coerção’ foi que naquela época, pelo menos, se tivesse sido dada como um mandamento, teria trazido todo homem, viciado no uso desses nocivos, sob condenação; então o Senhor foi misericordioso e deu a eles uma chance de vencer, antes de colocá-los sob a lei”.

Portanto, não devemos esperar a perfeita observância da Palavra de Sabedoria (especialmente em sua aplicação moderna) dos primeiros membros ou líderes. O Senhor e a Igreja não esperavam isso deles – embora o princípio fosse ensinado e enfatizado.

Hoje, sabemos os benefícios de se viver a Palavra de Sabedoria e somos invocados a vive-la. Em Revelações em Contexto encontramos o seguinte trecho:

“No início do século XX, quando medicamentos científicos estavam mais amplamente disponíveis e a frequência ao templo se tornara um meio mais regular de adoração dos santos dos últimos dias, a Igreja estava pronta para aceitar um padrão mais estrito de observância dos mandamentos que iria eliminar problemas como o alcoolismo entre os obedientes.

Em 1921, o Senhor inspirou o presidente da Igreja, Heber J. Grant, a invocar todos os santos a viver a Palavra de Sabedoria ao pé da letra, abstendo-se completamente de todas as bebidas alcoólicas, café, chá e fumo. Espera-se que os membros da Igreja de hoje vivam esse padrão mais elevado”.

Fonte: Ask Gramps
Faithful Answers, Informed Response

O post Quando a palavra de sabedoria se tornou um mandamento? apareceu primeiro em Portal SUD.

O post Quando a palavra de sabedoria se tornou um mandamento? apareceu primeiro em TV SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *